nsc
    dc

    Fiscalização

    MP cobra informações sobre a fiscalização no fim de ano ao Estado e municípios de SC

    Dados devem ser enviados no prazo de cinco dias para que Ministério Público avalie se atuações foram efetivas

    04/01/2021 - 19h50 - Atualizada em: 04/01/2021 - 20h02

    Compartilhe

    Catarina
    Por Catarina Duarte
    Ministério Público quer informações sore ações de fiscalização no fim do ano
    Ministério Público quer informações sore ações de fiscalização no fim do ano
    (Foto: )

    O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) cobrou do Estado e dos municípios mais detalhes sobre as fiscalizações das medidas contra o coronavírus no período de Natal e Ano-Novo. O Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos e Terceiro Setor (CDH) enviou ofício aos órgãos responsáveis na tarde desta segunda-feira (4) para pedir informações.

    Com base nesses dados, o MPSC vai avaliar medidas a serem tomadas para responsabilizar os estabelecimentos autuados ou interditados e evitar que sigam descumprindo os regramentos sanitários. A instituição vai verificar também se os órgãos de fiscalização cumpriram o seu papel nesse período de fim de ano.

    Foram oficiados o Corpo de Bombeiros, a Polícia Militar, a Polícia Civil e a Vigilância Estadual. Em um prazo de cinco dias, estes órgãos devem enviar ao MPSC documentos, como a fotocópia dos autos de notificação e interdição. Ao Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Santa Catarina foi requisitado apoio na obtenção dos autos feitos pelos municípios.

    ​> Santa Catarina ultrapassa Bahia e se torna o 3º Estado com mais casos de covid-19 na pandemia​

    Para o MPSC, a decisão do Estado de liberar as atividades de eventos e baladas e apostar nos regramentos sanitários para garantir a redução da transmissão da covid-19 aumenta a responsabilidade sobre os órgãos de fiscalização. A instituição avalia que o setor de eventos precisa ter responsabilidade com a própria atividade e rigor no cumprimento dos protocolos. 

    Estabelecimentos que não cumpram as medidas estabelecidas em portarias do Estado, pondera o MPSC, devem ser notificados e interditados pelos órgãos de fiscalização, não bastando, diante da gravidade da situação, a mera orientação.

    Caso haja algum indício de omissão ou desídia no cumprimento do dever de fiscalizar, o MPSC afirma que irá tomar as medidas cabíveis. 

    No sábado (2), a Justiça negou um recurso feito pelo Ministério Público pedindo a suspensão da flexibilização das regras adotadas pelo governo estadual. Entre as medidas está a liberação do funcionamento de hotéis com 100% da lotação e perimissão para realização de eventos.

    Denúncias nas redes sociais

    O CDH disse que está coletando informações de cada uma das baladas denunciadas pelo perfil "Brasilfedecovid" como forma de subsidiar as Promotorias de Justiça na instauração de procedimento para verificar a existência de eventuais infrações às normas sanitárias e posterior adoção de providências.

    Pessoas que queiram contribuir com documentos ou informações sobre esses eventos podem entrar em contato com a Ouvidoria do Ministério Público, ou a Promotoria de Justiça da sua cidade. Os contatos estão no site da Instituição, www.mpsc.mp.br

    Leia mais:

    Justiça volta a negar recurso do MP e mantém 100% da ocupação hoteleira em SC

    ​> Ocupação dos hotéis: Veja como fica a situação em Santa Catarina​

    Colunistas