nsc
    dc

    Ameaça reduzida

    Nuvem de gafanhotos segue na Argentina e se afasta de Santa Catarina

    Condições meteorológicas levam insetos para o Oeste, mais longe do Brasil

    29/06/2020 - 17h51 - Atualizada em: 29/06/2020 - 20h35

    Compartilhe

    Por Márcio Serafini
    Nuvem de gafanhotos na Argentina
    Gafanhotos não ameaçam seres humanos, mas provocam grandes prejuízos em plantações
    (Foto: )

    A nuvem de gafanhotos que está sobre a Argentina se movimentou para o Oeste, afastando-se da fronteira com o Brasil. A possibilidade de atingir Santa Catarina é considerada remota, mas o fenômeno segue sendo monitorado. 

    Na quinta-feira (25), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento decretou situação de emergência fitossanitária no Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A preocupação das autoridades do setor agropecuário e de produtores rurais é o dano que os insetos possam causar às lavouras e pastagens, se houver infestação.

    O Governo do Estado informa que a nuvem se encontra entre as cidades de Sauce e Esquina, na Província de Corrientes. De acordo com o grupo de trabalho formado por diversas agências, a previsão é que a nuvem continue se deslocando para Oeste em direção a Província de Santa Fé, também na Argentina.

    Mapa do local da nuvem de gafanhotos
    (Foto: )

    No último sábado,27, o Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa), da Argentina, realizou controle aéreo e anunciou que as estimativas apontam que 15% da nuvem de gafanhotos foi eliminada. Ela estava a cerca de 100 quilômetros do Brasil. No domingo foi realizado novo controle terrestre para o controle dos insetos, mas os resultados ainda não foram divulgados.

    O governo destaca que não existe até o momento a necessidade de ação preventiva pelos produtores rurais. O uso indiscriminado de agrotóxicos nesta fase é considerado desperdício de recursos e pode causar impactos negativos no meio ambiente, atingindo insetos polinizadores e prejudicando diversas culturas.

    Caso ocorra alteração na situação, a Defesa Civil e a Secretaria da Agricultura emitirão alertas para os agricultores e profissionais da área. Mai informações estão disponíveis para os agricultores nos escritórios municipais da Cidasc ou Epagri.

    A Senasa alerta que, em um quilômetro quadrado, até 40 milhões de gafanhotos podem comer o que 2 mil vacas consomem em um dia. A nuvem de insetos entrou na Argentina pelo Paraguai, onde causou estragos em lavouras.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas