publicidade

Acidente

O que se sabe sobre naufrágio de embarcação em São Francisco do Sul 

Marinha do Brasil, Petrobras e empresa responsável pelo fornecimento da balsa emitiram nota nesta quarta-feira (22) para explicar o incidente

22/05/2019 - 15h42 - Atualizada em: 22/05/2019 - 15h47

Compartilhe

Redação
Por Redação AN
Barca naufragou depois de sair de Itajaí
(Foto: )

Nesta quarta-feira (22), a Marinha do Brasil, Petrobras e empresa contratada para fornecimento da balsa, transporte dos módulos em terra e arranjo, fixação e peação, emitiram nota para explicar o incidente envolvendo a embarcação que emborcou na noite de 18 de maio.

O que diz a Marinha do Brasil

A Marinha do Brasil (MB), por meio da Delegacia da Capitania dos Portos em São Francisco do Sul, informa que a Barcaça "Locar V", que transportava os módulos de plataforma da Petrobras, emborcou na noite de 18 de maio.

Os módulos que estavam sendo rebocados, por ocasião do emborcamento, se desprenderam da barcaça e afundaram. Devido a grande profundidade, os módulos não trazem risco à segurança da navegação no local.

Apesar de emborcada, a barcaça possui flutuabilidade aceitável e está sendo rebocada para do litoral de São Francisco do Sul, onde ficará fundeada, a fim de realizar inspeção na estrutura com apoio de mergulhadores.

Um inquérito administrativo continua em andamento para apurar causas, circunstâncias e responsabilidades do acidente, bem como colher ensinamentos para reduzir a probabilidade de ocorrências análogas no futuro.

O que diz a Petrobras:

A Petrobras informa que, após inspeção concluída por veículo submarino operado remotamente (ROV), realizada nesta terça-feira, 21/5, foi constatado o naufrágio dos dois módulos de geração de energia da plataforma P-71.

A companhia instaurou uma comissão de investigação para identificar as causas do acidente e está avaliando as alternativas de reposição dos módulos para a plataforma P-71. Análises preliminares indicam que, ainda que ocorra a perda integral dos módulos, é possível mitigar o impacto do acidente na conclusão da obra de construção e montagem da unidade. A Petrobras está envidando todos os esforços necessários para que não haja atraso na data prevista de entrada em operação da plataforma P-71, tampouco perda de receita para o consórcio.

A Petrobras está mobilizando todos os recursos que tem à sua disposição para mitigar os eventuais efeitos decorrentes deste acidente e informará ao mercado caso ocorram impactos relevantes no seu Plano de Negócios e Gestão 2019 a 2023.

O que diz a empresa Locar Guindastes:

A Locar Guindastes e Transportes Intermodais, empresa contratada para fornecimento da balsa, transporte dos módulos em terra (loadout) e arranjo, fixação e peação (seafasting) à embarcação, informa que todos os projetos, serviços e locações de seu escopo contratual foram realizados sob supervisão e aprovados por empresa certificadora.

A Locar acrescenta que sua atuação no transporte dos módulos restringia-se aos serviços de engenharia do loadout, do seafasting e da movimentação até as balsas e que, após a conclusão e a aprovação desses serviços, a balsa foi entregue a Tranship, empresa contratada para o planejamento do reboque e sua devida realização até o Estaleiro da Jurong, em Aracruz (ES).

A empresa informa que, na manhã da última terça-feira (21), a balsa Locar V encontrava-se emborcada e flutuando, sujeita à avaliação.

Assine o NSC Total para ter acesso ilimitado ao portal, ler as edições digitais do DC, AN e Santa e aproveitar os descontos do Clube NSC. Acesse assinensc.com.br e faça sua assinatura.

Deixe seu comentário:

publicidade