A situação de algumas escolas de Florianópolis tem causado preocupação para pais e alunos. É porque obras de reforma se estendem há anos em unidades de ensino, prejudicando o dia a dia dos estudantes.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

Na Escola Estadual Aderbal Ramos da Silva, no bairro Estreito, uma placa com informações sobre o projeto de conclusão da obra previa a data final de 4 de abril de 2024. Contudo, essa data se encerrou na última semana, e os trabalhos estão longe de chegar ao fim.

Enquanto as obras estão sendo realizadas, os alunos precisam estudar em salas de aula improvisadas. No espaço, é possível ver que ainda falta muito a ser feito e que a conclusão da reforma deve demorar um tempo.

Na plataforma do governo Projeta SC, que indica uma perspectiva de quanto tempo as obras devem durar, o novo prazo informado é novembro de 2024.

Continua depois da publicidade

Os atrasos levaram a um inquérito do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), o qual menciona uma Notícia de Fato que originou o Procedimento Preparatório e que visava a verificação da estrutura física da Escola Estadual Aderbal Ramos da Silva, autuada em junho de 2012.

Parte das obras tinha como prazo final o ano de 2019. Após uma inspeção do Tribunal de Contas, uma nova licitação foi feita para a conclusão da obra.

Essa escola, infelizmente, não é a única a passar por esse tipo de situação. O cenário se repete na Escola Júlio da Costa Neves, no bairro Costeira do Pirajubaé. Por lá, as obras começaram em 2019 e ainda não foram concluídas. O novo prazo informado é para junho deste ano.

Continua depois da publicidade

O que diz o Governo do Estado

Em entrevista ao Bom Dia Santa Catarina, a secretária adjunta de Educação do Estado, Patrícia Lueders, afirmou que, por determinação do governador Jorginho Mello (PL), as empresas que não estavam cumprindo os contratos foram notificadas.

— É a situação dessa escola, a gente teve que refazer o contrato para que a gente pudesse retomar dentro das necessidades de cada unidade. Não estava sendo previsto situações básicas, desde refeitório, cobertura, para que pudesse fazer uma obra e ser concluída dentro do que necessita um estudante para ter uma aprendizagem de qualidade — destaca Patrícia, em relação a Escola Estadual Aderbal Ramos da Silva.

Questionada sobre o cumprimento do novo prazo para as obras, a secretária afirmou, ainda, que obras públicas dependem de empresas, que muitas vezes desistem ou não cumprem com os prazos, e por isso reforça a importância de notificar.

— Às vezes com a notificação ela desiste da obra e a gente começa um novo processo licitatório. Quem conhece o processo licitatório, sabe como a gente age de maneira transparente e correta, começa do zero novamente — relata.

Continua depois da publicidade

Já sobre a Escola Júlio da Costa Neves, a secretária afirmou que as obras estão em 80% e devem ser concluídas em breve, com a inauguração prevista para o mês de maio.

Outra escola que também está em situação crítica, com mato alto, vidro quebrado, entre outros problemas, é a Escola Estadual Pero Vaz de Caminha, no bairro Capoeiras. Patrícia explicou que, nesse caso, os alunos conseguiram retornar para a escola próxima a sua residência após terem sido deslocados para outro bairro.

— A Pero Vaz a gente conseguiu trazer uma qualidade para estes estudantes tendo em vista que eles estavam em outro bairro, e hoje eles voltaram para o espaço da coordenadoria de Florianópolis, e a gente atendeu os estudantes para que eles pudessem ficar na sua própria rua, do mesmo bairro. Ou seja, a escola ainda não começou a obra porque a empresa que ganhou a licitação desistiu, então a gente está fazendo um novo processo licitatório, mas a garantia é que agora, pelo menos, as crianças saíram do outro bairro e assim dar um conforto maior para as famílias, porque é a mesma rua onde é a escola hoje — finaliza.

Nesse caso, o prazo para início das obras ainda depende do tempo legal que as empresas, que não venceram a licitação, possuem para questionar o certame. Se não houver nenhum impedimento, a previsão é de que assim que o envelope for aberto, a ordem de serviço seja dada em 60 dias.

Continua depois da publicidade

*Com informações do repórter Cristiano Gomes, da NSC TV

Leia também

Censo Escolar mostra aumento de matrículas em SC, mas evasão acima da média nacional

Destaques do NSC Total