nsc
dc

Respiradores

Operação O2: vereador e advogado estão entre os presos no Rio de Janeiro

Força-tarefa investiga negociação de 200 respiradores que custou R$ 33 milhões para o governo de Santa Catarina

06/06/2020 - 14h34 - Atualizada em: 06/06/2020 - 14h43

Compartilhe

Lucas
Por Lucas Paraizo
Vereador São João do Meriti
Presidente da Câmara de Vereadores de São João do Meriti (RJ), Davi Perini Vermelho, foi preso preventivamente neste sábado
(Foto: )

Além do ex-secretário da Casa Civil, Douglas Borba, e do advogado Leandro Barros, outros quatro mandados de prisão preventiva foram autorizados pela Justiça neste sábado (6) como parte da segunda fase da Operação O2 - que investiga a compra de 200 respiradores por R$ 33 milhões pelo governo de Santa Catarina.

Três mandados de prisão preventiva eram para envolvidos com a empresa Veigamed no Rio de Janeiro. Conforme divulgado pelo portal G1 do RJ, um dos presos era o presidente da Câmara de Vereadores de São João do Meriti (RJ), Davi Perini Vermelho, o Didê. Conforme a investigação da força-tarefa catarinense, o vereador atuava como representante da Veigamed. Foi preso também o advogado César Augustus Martinez Thomaz Braga, que teria firmado contratos como diretor jurídico da empresa. É a primeira vez que o nome dele aparece nas investigações da compra dos respiradores em SC.

O terceiro mandado de prisão preventiva no Rio de Janeiro seria para o dono da Veigamed, Pedro Nascimento Araújo, que é considerado foragido. O último mandado, que também não teria sido cumprido até o momento, foi expedido para São Paulo.

Davi e Pedro já haviam sido alvos de pedidos de prisão na primeira fase da operação. Na época os pedidos foram negados pela Justiça, que autorizou apenas mandados de busca e apreensão.

O advogado Ricardo Wille, que defendia Perini e Nascimento, informou que não está mais atuando no processo. A nova defesa da Veigamed não foi localizada

Conforme o promotor de Justiça Maurício Medina, coordenador da força-tarefa, as prisões deste sábado foram necessárias pois os envolvidos estariam destruindo provas e elementos da investigação.

Colunistas