Dois vereadores de Joinville estão sendo alvos de operações na manhã desta quinta-feira (30). De acordo com o delegado Pedro Alves, da Delegacia Especializada em Combate à Corrupção (Decor), as ações ocorrem de forma simultânea e são coordenadas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e Polícia Civil. Mauricinho Soares (MDB) foi preso, além de outras duas pessoas.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Joinville e região no WhatsApp

Esquema no Detran de Joinville “limpava” multas até de outros estados, diz polícia

Mauricinho foi detido em flagrante por posse ilegal de arma de fogo, encontrada na casa do parlamentar. Cláudio Aragão (MDB) também é investigado, além de outras quatro pessoas. Os mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos nos gabinetes e casas dos vereadores, além de empresas em que trabalham os demais envolvidos, como Departamento Estadual de Trânsito (Detran), 2ª Ciretran-Joinville e um escritório de advocacia.

Conforme o que foi apurado até o momento, os parlamentares são alvo de duas ações distintas. Aragão é investigado pelo Gaeco por suspeita de corrupção em programa de pavimentação comunitária, assim como Mauricinho, que também é investigado na operação da Polícia Civil em caso de fraudes no Detran em carteiras de habilitação.

Continua depois da publicidade

Entenda a operação da Polícia Civil

De acordo com Rafaello Ross, delegado regional da Polícia Civil, a ação conduzida pela Decor tem relação com a liberação irregular de carteiras de motoristas suspensas pelo Departamento de Trânsito. Nesta operação de âmbito policial, três pessoas foram presas, entre elas, Mauricinho, pela posse da arma de fogo, um despachante e outro funcionário terceirizado do Detran.

A investigação iniciou em janeiro deste ano e, no decorrer da apuração, foram descobertas mais de 100 condutas criminosas. De acordo com o delegado Ross, em três meses, foram auditados 60 processos de liberação de CNH a condutores impedidos de dirigir com envolvimento dos suspeitos. Desses, 58 apresentaram irregularidades.

Ao todo, seis são investigados nesta operação por crimes de falsidade ideológica, inserção de dados falsos em sistema de informações e organização criminosa. Entre eles, Mauricinho, um despachante, dois terceirizados do Detran e dois ex-funcionários, que participavam do esquema mesmo após terem deixado o órgão.

Além das prisões, também foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e duas ordens de suspensão de atividades de empresas que atuavam em Joinville e Araquari do ramo despachante. Nos endereços, foram apreendidos aparelhos eletrônicos, especialmente telefones celulares, e documentos relacionados aos fatos sob apuração.

Continua depois da publicidade

Entenda a operação do Gaeco

Já a ação do Gaeco não teve prisões, mas cumpriu 28 mandados de busca e apreensão. Neste caso, o Ministério Público apura crimes contra a administração pública, como peculato, corrupção ativa, corrupção passiva, falsidade ideológica e sonegação fiscal, que teriam sido praticados entre os anos de 2016 e 2020, no contexto do programa de pavimentação comunitária.

Conforme as investigações da promotoria, subprefeituras de diferentes localidades da cidade foram distribuídas para livre indicação política pelos vereadores das respectivas regiões. Se utilizando dos prédios públicos, os parlamentares investigados teriam facilitado contratações para pavimentação de ruas da cidade, indicando, inclusive, empreiteiros para que executassem os serviços. 

Entre os parlamentares beneficiados pelo esquema, segundo o MP, ficou evidente a liderança do vereador Cláudio Aragão, que atuou como líder do poder executivo municipal junto à Câmara do município. Aragão seria notoriamente conhecido como “Rei da Lajota”. 

A investigação por parte do Gaeco iniciou em 2021 e apura suposta organização criminosa composta por vereadores e agentes públicos do poder executivo municipal, além de empreiteiros do setor de pavimentação.

Continua depois da publicidade

Contraponto

O advogado do vereador Mauricinho Soares (MDB), em nota enviada à reportagem, diz que o vereador “foi alvo de uma investigação policial decorrente de fatos que já estão sendo esclarecidos e que não passam de intrigas políticas”.

Já Cláudio Aragão (MDB), pelas redes sociais, diz que foi surpreendido com a investigação e que não teve acesso ao teor das denúncias. Além disso, afirmou que está à disposição da Justiça para colaborar com a elucidação dos fatos envolvendo a investigação.

Leia também

Em “compensação”, futura estação de esgoto de Joinville terá área de lazer ao lado

Quantos apartamentos novos estão à venda em Joinville

Prédio centenário de Joinville será usado pelos bombeiros voluntários

Destaques do NSC Total