Comer um alimento e ter uma reação alérgica é a rotina de muitas pessoas. Mas, você sabe de fato quais são os sintomas de uma alergia alimentar? E também sabe quais são as descobertas sobre a condição? Se a resposta for não para uma dessas perguntas, chegou a hora de conhecer mais sobre o tema e saber quais são os atuais desafios da condição.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do Hora no Google Notícias

Inclusiva, as alergias estão sempre amplamente debatidas em um quadro do famoso médico Drauzio Varella no Fantástico. A condição é abordada em diversos capítulos e pretende, justamente, desmistificar o assunto e mostrar para a sociedade que há muito o que saber ou debater sobre a condição. Por isso, adiantamos aqui um dos temas abordados pelo médico, que são os sintomas sobre estes tipos de alergia.

Afinal, o que é uma alergia alimentar?

De forma geral, especialistas descrevem a alergia alimentar como uma reação alérgica do corpo aos alérgenos mais comuns entre os alimentos. O corpo entende que precisa se defender, quando aquele alimento é consumido, e passa a tentar atacar a substância.

A lista dos principais alérgenos alimentares é composta por soja, trigo, amendoim, castanhas, peixes e frutos do mar. Porém, recentemente, alimentos como frutas, gergelim, chia e linhaça surgem como desafios para médicos, nutricionais e outros profissionais da saúde por estarem desencadeando novas alergias.

Continua depois da publicidade

Quais os sintomas da alergia alimentar?

O primeiro sintoma da alergia alimentar costuma ocorrer quando algum alimento alérgeno é consumido. Depois do consumo, o corpo tende a apresentar os seguintes sintomas, de acordo com a equipe do Hospital Albert Einstein:

  • Coceira na boca, garganta ou até mesmo na pele
  • Lábios inchados ou inchaço da língua
  • Erupções na pele
  • Diarreia ou alterações nos sitema digestivo
  • Vômitos ou enjôos
  • Tontura
  • Dor abdominal
  • Dificuldade de respirar

Se alguns desses sintomas aparecer, a orientação é sempre procurar um médico, e o mais breve possível. Testes podem ser solicitados para verificar quais alimentos você tem alergia e o tratamento mais indicado pode ser recomendado.

Quais os novos desafios sobre alergias alimentares?

Segundo a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), novos alimentos estão ganhando destaque nas alergias alimentares. Se antes o leite liderava como sendo o alimento que mais causava alergia, agora ele perde posição de líder para o ovo. Ou seja, os especialistas agora possuem novos desafios para o controle dessa condição.

Continua depois da publicidade

— Apesar de ainda ocupar papel de destaque entre as alergias na infância, o leite de vaca parece estar perdendo a primeira posição para o ovo. Além disso, alimentos como amendoim, castanhas, sementes e frutas, especialmente a banana, ganham destaque nas estatísticas de alergias —, conta a Dra. Renata Cocco, membro do departamento Científico da associação.

Ente esses desafios, a associação especialista indica cinco descobertas que tendem a influenciar nas alergias alimentares na atualidade: aumento de alergias a amendoim e castanhas, continuidade das alergias em adultos, desafio da introdução alimentar, risco das dietas restritivas e novidades na evolução dos tratamentos. Confira a seguir o que cada descoberta tem significado para os especialistas e entenda mais sobre os desafios do controle desse tipo de alergia.

Aumento substancial das alergias a amendoim e castanhas

O número de crianças com sintomas de alergia após a ingestão de amendoim ou castanhas alcança pouco a pouco uma realidade semelhante às referidas em países como os Estados Unidos e Reino Unido. As alergias se manifestam ainda nos primeiros anos de vida, caracterizam-se pela gravidade das reações e podem ser desencadeadas por quantidades ínfimas dos alimentos, incluindo a inalação.

Persistência das alergias na vida adulta

Paralelamente ao aumento do número de alimentos responsáveis pelas alergias, o tempo para sua remissão (isto é, a perda da alergia) também é maior. — Alergia ao leite, ovo, soja e trigo eram geralmente remitidas até os 5 a 7 anos de idade. Atualmente acompanhamos muitos pacientes até o final da adolescência ainda com reações alérgicas a estes alimentos —, explica a Dra. Renata.

Continua depois da publicidade

Importância da introdução alimentar

A especialista da associação ressalta a importância da introdução alimentar adequada como uma possível forma de minimizar o aparecimento das alergias. — Aleitamento materno exclusivo até os seis meses, seguido pela introdução gradual de alimentos, especialmente aqueles nutricionalmente essenciais, a partir do sexto mês —, recomenda a médica.

Riscos de dietas de restrição sem acompanhamento

Atenção ao perigo que as dietas de restrição, sem orientação adequada, podem causar. Além dos prejuízos nutricionais, os impactos sociais e psicológicos podem criar estigmas e afetar a qualidade de vida.

Tratamentos em evolução

A imunoterapia, por diferentes vias de administração, e os imunobiológicos surgem como opções promissoras, proporcionando avanços significativos na qualidade de vida dos pacientes. — A dessensibilização oral não leva à cura da alergia, mas pode melhorar muito a qualidade de vida do paciente, especialmente daqueles que reagem a quantidades muito pequenas dos alimentos. Existem várias linhas de pesquisa em andamento, envolvendo novas abordagens terapêuticas, que devem nos trazer soluções mais seguras —, alerta Dra. Renata Cocco.

Leia também

O que é alergia? Veja tipos e sintomas

Por que algumas pessoas têm alergia e outras não?

Destaques do NSC Total