nsc
dc

Família

Pais precisam voltar a serem protagonistas na educação dos filhos, dizem especialistas

Profissionais defendem maior interesse e disponibilidade de tempo entre responsáveis, crianças e jovens

04/09/2019 - 17h19 - Atualizada em: 09/09/2019 - 11h07

Compartilhe

Por Redação NSC
Estabelecer um período de tempo para o uso de eletrônicos, por exemplo, é uma indicação feita por médicos
(Foto: )

Uma pesquisa feita pela Associação Escola de Pais de Florianópolis mostrou que 67% dos pais da Capital têm dificuldades em controlar o uso de equipamentos eletrônicos pelos filhos. No debate realizado pelo programa Direto da Redação, na rádio CBN Diário, na tarde de quarta-feira (4), especialistas defenderam a prática de colocar limites nas crianças e nos jovens.

Além de separar um tempo para uma conversa em família no dia a dia, a psicóloga e mestre em educação Camila Detoni Sá de Figueiredo diz que a nova geração precisa de alguém que mostre e esclareça os perigos existentes.

— Em vez deles (filhos) aprenderem a se relacionar com pessoas, eles estão aprendendo a se relacionar com máquinas de maneira geral. Você não precisa ficar duas ou três horas do dia com o seu filho, mas se você separar meia hora e estiver com ele de verdade, vai ser o suficiente — afirma.

Camila salienta que atos como esse fazem com que a saúde mental da criança seja preservada. Estabelecer um período de tempo para o uso de eletrônicos, por exemplo, é uma indicação feita por médicos, segundo Camila.

— O recomendado pelos pediatras é que a criança use aparelhos eletrônicos durante duas horas do dia — diz a psicóloga.

José Alberto Wobeto, representante da Escola de Pais, defende que o exemplo é a melhor forma de educar:

— Não adianta o pai e a mãe quererem ensinar para os filhos que eles não podem ficar o tempo inteiro no celular, se ele ou ela (pais), está lá clicando o tempo inteiro e não observando isso.

Para José Alberto, o diálogo franco, aberto e respeitoso é a melhor alternativa no convívio. Se não houver empenho, o processo de formação da criança como indivíduo pode ser prejudicado.

— É preciso que os pais se conscientizem que educar é realmente mostrar serviço, dá trabalho e precisa ter um tempo de dedicação. Fica a pergunta: para um pai e uma mãe o que é mais importante do que educar um filho? — analisa Wobeto.

Conforme a idade a abordagem muda

De a zero a três anos, por exemplo, o ideal é que sejam estabelecidos limites dando amor e segurança. Segundo Camila, isso faz com quem um vínculo seja criado entre pai e filho. Já dos quatro aos sete anos, uma boa opção é explicar por meio de conversa os porquês das determinações estabelecidas. Assim, a criança irá entender as consequências dos atos.

Dos sete anos em diante, as pessoas já têm um pouco mais noção da realidade. Por isso, é fundamental que os pais e/ou responsáveis continuem presentes e participando da vida dos filhos. Sempre conversando e se dispondo a compartilhar momentos em família.

Paciência, explicações, amor, segurança e carinho, são atitudes que Camila e Wobeto defendem e que devem ser praticadas desde o nascimento. Além disso, é necessário ouvir e compreender as dificuldade e reivindicações dos filhos. Assim como tentar entender o momento emocional que eles se encontram.

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Cotidiano

Colunistas