nsc
    dc

    PLANO DE CONTINGÊNCIA 

    Parque da Serra do Tabuleiro será monitorado por câmeras de vigilância, diz IMA

    Entidades se reuniram pela primeira vez na terça-feira, quando debateram sobre estratégias no plano de contingência

    05/10/2019 - 06h28 - Atualizada em: 05/10/2019 - 11h59

    Compartilhe

    Clarissa
    Por Clarissa Battistella
    (Foto: )

    A instalação de câmeras de monitoramento e a criação de aceiros (aberturas na vegetação) estão entre as ações previstas pelo Instituto do Meio Ambiente (IMA) para integrar o plano de contingência do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, em Palhoça, na Grande Florianópolis. O objetivo é criar meios de prevenção para os incêndios que atingem a área.

    Em menos de 30 dias, dois incêndios de grandes proporções destruíram, juntos, mais de mil hectares do parque. O primeiro ocorreu nos dias 10 e 11 de setembro, quando a vegetação de pouco mais de 800 hectares da área foi devastada pelo fogo. O segundo caso foi nesta semana, entre a quarta-feira (02) e a quinta-feira (03) e consumiu aproximadamente 250 hectares.

    Um dia antes do segundo incidente, a Defesa Civil de Santa Catarina havia promovido uma reunião em Florianópolis com representantes de algumas entidades, para discutir a elaboração do plano de contingência do parque, que tem mais de 84 mil hectares de área. A colocação de câmeras já havia sido decidida dentro do IMA, segundo o coordenador do parque, Carlos Cassini, e foi apresentada como uma das sugestões:

    — As câmeras devem estar espalhadas pelo parque, mas dentro das possibilidades que temos. Também vamos abrir os aceiros para limitar o fogo, como orientação dos Bombeiros — explica.

    De acordo com Cassini, esses “caminhos” são aberturas no meio da vegetação para isolar o fogo em uma área específica. Dessa forma, quando as chamas chegam até os pontos sem vegetação, não tem para onde alastrar e se apagam.

    — E também podem servir como um acesso às áreas mais distantes, para que consigamos realizar o combate — diz o coordenador.

    up
    Imagens da área atingida pelo fogo nos dias 10 e 11 de setembro
    (Foto: )

    O monitoramento da área é outro fator importante para prevenção de incêndios e deve agregar o plano de contingência. A assídua fiscalização é, também, uma das atribuições da Polícia Militar Ambiental, segundo o tenente-coronel Ricardo Cordeiro Comelli:

    — Proteger o meio ambiente e as unidades de preservação ambiental está previsto na legislação que nos rege. Para além do monitoramento, nos cabe encontrar os responsáveis pelo incêndio, quando a causa é humana e aplicar infração — esclarece.

    Para evitar que incêndios sejam provocados pela população, o plano vai além da fiscalização e traça estratégias educativas, com envolvimento da comunidade. Segundo Cassini, se busca despertar um sentimento de pertencimento aos moradores das imediações, para que se mantenham em alerta e contribuam com os cuidados.

    — Há uma ideia errada de que o parque é responsabilidade nossa, mas na verdade, todos tem o dever de cuidar e preservar a área — conclui.

    Procurada pela reportagem, a Defesa Civil informou, através da assessoria, que o plano de contingência está em construção e ainda não há mais informações sobre as estratégias e contribuições de cada entidade, porque “é um trabalho complexo e que iniciou agora”.

    Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas