nsc
    an

    Os Catarinenses

    Patricia Maia, a moradora do Juquiá, em Joinville, que lançou um olhar sobre a beleza da comunidade

    Como fotógrafa, ela criou um projeto para resgatar a autoestima das crianças da região

    18/01/2020 - 13h25

    Compartilhe

    Cláudia
    Por Cláudia Morriesen
    foto mostra a entrevistada com a câmera sobre o rosto e com um grande sorriso
    (Foto: )

    Patricia Maia nunca soube parar quieta. Na infância, morava em Três Barras, no interior de Santa Catarina, e transformava o espaço pequeno das casas em que vivia em um motivo para ir a todo tipo de curso que aparecia na pequena cidade. Quando casou e resolveu tentar a sorte em uma cidade maior, aqueles conhecimentos ajudaram a mudar a realidade de um grupo de mulheres no Loteamento Juquiá, onde há algumas das situações de maior vulnerabilidade social de Joinville.

    Ela criou o grupo Mulheres Vitoriosas, com o qual muitas moradoras puderam aprender artesanato e começar a empreender. Era na casa de uma delas que as moradoras se reuniam, buscando novas formas de incrementar o orçamento doméstico.

    Mas os olhos e os braços de Patrícia não pararam: ela lançou sua atenção para as meninas da comunidade, e as ensinou a encontrar a beleza — não só no espelho, mas também ao observar o próprio mundo. Com o projeto "Beleza Escondida do Juquiá", ela produziu ensaios fotográficos que resgataram a autoestima das crianças e promoveram um novo olhar sobre a periferia da cidade.

    Confira o perfil publicado na coluna Os Catarinenses, na edição de 18 e 19 de janeiro

    Nome

    Patricia Maia

    Idade

    32 anos

    Uma comunidade de vitoriosas

    Quando eu cheguei em Joinville, há 10 anos, a situação no Juquiá era pior. As pessoas estão conseguindo melhorar suas casas, mas ainda é uma área irregular. Eu via que as mulheres não faziam nada e resolvi criar o grupo das Mulheres Vitoriosas com outra amiga. Nos reunimos em uma das casas para ensinar e para produzir. Hoje, muitas mulheres que não sabiam nada de artesanato ganham seu dinheiro com a venda dos produtos.

    Toda a beleza do mundo

    Eu percebi que as crianças do Juquiá nunca teriam uma chance de serem consideradas bonitas quando a minha filha começou a participar de concursos de beleza. Precisa ter dinheiro para tudo e elas sempre ficariam para trás, ficariam escondidas. Então, comecei a ensinar as meninas a se arrumarem mais e a fazer ensaios fotográficos delas, chamei o projeto de Beleza Escondida do Juquiá. Enquanto fazia as fotos, podia conversar com elas, incentivar a ficarem na escola e a tirarem boas notas, a respeitarem os pais.

    Transformação do próprio mundo

    A fotografia era um amor que eu tinha, mas nunca pude aprender. Comprei uma câmera semiprofissional e fui aprendendo com a ajuda de alguns profissionais, com vídeos no You Tube. Comecei a trabalhar fazendo fotos de festas, batizados e ensaios, e levo principalmente para fazer as fotos no Parque Caiera. Muita gente que não conhecia o parque e perguntava onde era aquele lugar ficavam surpresos porque é entre o Adhemar Garcia e o Ulysses Guimarães. Tinha muito preconceito. Hoje, eu vejo muitas dessas pessoas visitando e fazendo suas fotos lá.

    Leia as últimas notícias da região Norte de Santa Catarina.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas