nsc
    an

    Combate à dengue

    Pesquisa da Fiocruz será executada em combate à dengue em Joinville

    A nova tecnologia consiste em disseminar larvicidas em criadouros de difícil acesso

    18/11/2020 - 10h36

    Compartilhe

    Por Isadora Nolf
    Dengue em Joinville
    Joinville bateu o recorde histórico de casos de dengue em 2020
    (Foto: )

    A Prefeitura de Joinville, por meio da Secretaria da Saúde, firmou uma importante parceria para o controle do mosquito Aedes aegypt, transmissor de doenças como a dengue, Zika vírus, febre Chikungunya e febre amarela. Graças ao material de pesquisa cedido pela Fiocruz – Amazônia, o setor de Vigilância Ambiental da Secretaria da Saúde passará a utilizar Unidades Dispersoras de Larvicidas.

    ​> Receba notícias de Joinville e da região Norte de SC por WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo do AN

    Segundo a coordenadora da Vigilância Ambiental, Ana Alice Borba, essa tecnologia será complementar a outras técnicas de controle atualmente empregadas em Joinville. "A utilização das Estações disseminadoras de larvicidas tem como objetivo fazer com que os próprios mosquitos levem em seus corpos larvicidas para criadouros de difícil visualização, acesso e intervenção", explica a coordenadora.

    > Dengue em Joinville: bairros recebem mutirão de limpeza para combate à epidemia

    A Estação Disseminadora de Larvicida (ED) consiste em um pote plástico recoberto com tecido preto, impregnado com um larvicida em pó, dentro do qual se coloca uma certa quantidade de água. Os mosquitos são atraídos pela água e, ao pousarem na superfície da Estação Disseminadora, partículas do larvicida são aderidas às pernas e corpo dos mosquitos, que acabam levando esse produto para outros criadouros e, com isso, conseguem matar larvas e pupas, inclusive em criadouros que muitas vezes não poderiam ser localizados pela população e equipes de vigilância.

    > Joinville tem média diária de 43 pessoas infectadas por dengue em 2020

    A instalação das Estações Disseminadoras será realizada pelos agentes de endemias do município. Os critérios utilizados para a seleção dos locais onde serão colocadas as unidades será feito em conjunto com a FIOCRUZ, por meio de dados georreferenciados de casos de dengue e focos de mosquitos identificados pela rede de monitoramento entomológico do município.

    Atendimento sobre a doença

    A Secretaria da Saúde oferece serviço de atendimento às pessoas que tenham sintomas da dengue. Antes de se dirigir a uma Unidade Básica de Saúde, a orientação é que o cidadão entre em contato com os canais Ligue-Saúde ou Web-Saúde (via WhatsApp), no telefone 47 3481-5165.

    Entre as principais medidas preventivas que devem ser adotadas para combater o mosquito e prevenir a dengue, estão: eliminar qualquer tipo de recipiente (até mesmo tampinhas de garrafa pet) que possa acumular água; não acumular lixo; tratar a água de piscinas com cloro, pelo menos uma vez por semana; retirar os pratinhos debaixo dos vasos de plantas; verificar a vedação da caixa d’água; colocar tela de proteção nos ladrões e nas caixas de passagem; higienizar semanalmente os potes de alimentos dos animais com bucha; desobstruir as calhas d’água; usar repelente.

    Números da dengue

    Desde o início deste ano, Joinville já confirmou cerca de 8,7 mil casos de contaminação pela dengue, um recorde histórico para a cidade e, consequentemente, para Santa Catarina. O bairro com mais casos é o Comasa, com 1,3 mil.

    Denúncias sobre locais onde possa haver focos do mosquito Aedes aegypti devem ser feitas pela Ouvidoria do município, por meio do site da Prefeitura de Joinville.

    *Isadora Nolf é estagiária e assina sob supervisão de Cláudia Morriesen. (claudia.morriesen@somosnsc.com.br).

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas