nsc

publicidade

Justiça

PF pede alienação antecipada de carros apreendidos na operação Alcatraz 

Veículos estavam com pessoas que foram alvo do cumprimento de mandados pela polícia 

19/06/2019 - 13h21 - Atualizada em: 19/06/2019 - 15h13

Compartilhe

Por Leonardo Thomé
Veículos poderão ser leiloados
Alguns dos carros são avaliados em cerca de R$ 300 mil
(Foto: )

A Polícia Federal (PF) representou pela alienação antecipada de nove veículos apreendidos na operação Alcatraz, que investiga supostos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção e fraude em licitação, entre outros. O pedido foi feito na terça-feira (18) pelo delegado Igor Irigon Gervini, responsável pela investigação. A petição aguarda análise da juíza Janaina Cassol, da 7ª Vara Federal de Florianópolis.

Em contato com a assessoria de comunicação da Justiça Federal em SC, a reportagem foi informada que a juíza Janaína, antes de decidir se defere ou não o pedido da PF, abriu vistas para manifestação do Ministério Público Federal (MPF).

Caso seja deferido, os automóveis irão a leilão e os valores arrecadados serão depositados em uma conta judicial até o fim da ação penal. Dos noves carros, segundo a PF, três pertenceriam ao deputado estadual Júlio Garcia (PSD) – alvo de mandados de busca e apreensão - e três seriam do ex-secretário adjunto de Administração de SC, Nelson Nappi Junior – que está preso preventivamente desde 30 de maio.

Os automóveis, alguns avaliados em cerca de R$ 300 mil, foram apreendidos pela PF em 30 de maio. Na justificativa para o pedido, o delegado Igor cita o artigo 144 do Código de Processo Penal, que prevê a alienação antecipada para preservação do valor dos bens sempre que estiverem sujeitos a qualquer grau de deterioração ou depreciação, ou quando houver dificuldade para sua manutenção.

Na petição, a PF também afirma que os nove carros estão no pátio da superintendência da PF e, além de estarem sujeito a deterioração normal, “prejudicam o fluxo de veículos em ambiente policial, o qual por natureza costuma ser bastante dinâmico, e, ainda, prejudica ao ocupar vagas utilizadas para tarefas diárias das rotinas de trabalho” realizadas pela PF.

Por fim, o delegado Igor pondera que, caso a magistrada Janaina entenda não ser necessário realizar por ora a alienação dos bens, que ela indique “um depósito judicial para a remoção dos bens das dependências desta unidade da PF”.

Contrapontos

Julio Garcia

A reportagem entrou em contato com a assessoria do presidente das Alesc, que informou não ter posicionamento sobre o assunto.

Nelson Nappi Junior

O advogado de defesa não atendeu nem respondeu às mensagens da reportagem.

Leia também: Julio Garcia faz pronunciamento após Operação Alcatraz

Deixe seu comentário:

publicidade