nsc
dc

Justiça

Plano para regularizar estoque de sedativos deve ser apresentado em cinco dias pelo governo de SC

Conforme o pedido do Ministério Público, há o registro de falta de medicamentos em alguns hospitais. Sedativos são usados na intubação de casos graves de covid-19

27/07/2020 - 14h56

Compartilhe

Lucas
Por Lucas Paraizo
Sedativos
MP cobra do Estado um estoque suficiente para mais 90 dias de pandemia
(Foto: )

O governo de Santa Catarina tem cinco dias, contados a partir desta segunda-feira (27), para apresentar à Justiça o panorama atual e um plano de regularização do estoque de sedativos usados na intubação de pacientes com covid-19 nos hospitais. Conforme o Ministério Público (MP-SC), há o registro de falta de medicamentos em algumas unidades de saúde no Estado.

> ​Confira dados atualizados por cidade no Painel do Coronavírus

O pedido foi feito pelo MP em um recurso de decisão semelhante que havia sido negada pela Justiça em primeira instância, dez dias atrás. Inicialmente, o pedido era para obrigar o Estado a fornecer sedativos à rede de saúde, mas a Justiça entendeu que não havia desabastecimento e nem má gestão a Secretaria de Estado da Saúde.

Conforme o recurso do MP, que desta vez foi aceito pela Justiça, o governo de SC tem cinco dias para apresentar dados sobre o estoque atual de medicamentos nos hospitais, a média de consumo diário, a prospecção de quantidade necessária para atender a rede por mais 90 dias e as ações concretas que serão adotadas pelo Estado com fim de facilitar o reabastecimento.

O MP se baseia em relatos de desabastecimento em alguns hospitais públicos e a estimativa de que o estoque atual em outras unidades está perto de zerar. De acordo com o pedido, a Diretoria de Assistência Farmacêutica da Secretaria de Estado da Saúde informou, na segunda-feira (20), que os medicamentos recebidos do Ministério da Saúde e de uma rede particular de saúde são insuficientes para atender a demanda de todos os hospitais com leitos de UTI para casos de covid-19 e estariam sendo dirigidos aos hospitais que já apresentam estoques zerados, em quantidade suficiente para, no máximo, os próximos 10 dias.

Segundo o Promotor de Justiça Luciano Naschenweng, em consulta realizada com os hospitais que são referência para o tratamento de covid-19 em diversas regiões do estado, foi apresentado o mesmo panorama: desabastecimento iminente ou, em alguns casos, falta de certos medicamentos, principalmente os sedativos.

Para a intubação de pacientes infectados pelo coronavírus em situação grave, os sedativos são utilizados durante o procedimento invasivo, que é doloroso. Na falta do medicamento, alguns hospitais têm usado morfina como substituto, o que não é recomendado pois pode trazer efeitos adversos.

Além dos sedativos, também são usados bloqueadores neuromusculares, que também estão em falta em alguns locais segundo o MP. O medicamento facilita o procedimento de intubação e reduz o tempo em que o paciente fica sem oxigenar.

Colunistas