O tradicional clássico de Florianópolis, Avaí x Figueirense, celebra seu centenário em 2024. Até então, foram 99 anos de muita história e rivalidade em um dos duelos que carrega mais peso no futebol catarinense.

Continua depois da publicidade

Segundo os cálculos do Figueirense, este será o clássico de número 452. O Alvinegro conta 160 vitórias, 145 empates e 146 vitórias do Avaí.

Por outro lado, o Leão da Ilha conta este como o clássico de número 456. Nas contas do Avaí, são 151 vitórias, 145 empates e 159 vitórias do Figueirense.

Leia mais Notícias de Esporte no NSC Total

Avaí, Criciúma, Chapecoense: veja a chance de rebaixamento e acesso

Continua depois da publicidade

Nova reviravolta! Figueirense tem importante vitória na luta para reativar Recuperação Extrajudicial

Os times da Capital têm a mesma quantidade de títulos estaduais: cada um com 18. Na Copa Santa Catarina, o Avaí levantou uma taça em 1995 e o Figueirense venceu três edições, em 1990, 1996 e 2021.

Confira alguns jogos históricos entre Avaí x Figueirense

1. Figueirense 0 x 0 Avaí, em eliminatória – 16/5/1973

Apesar de ter sido um empate sem gols, esse clássico marcou não só a história do Figueirense, mas também do futebol estadual. Dois anos depois da criação do Campeonato Nacional, como era chamado o Campeonato Brasileiro, a Federação Catarinense de Futebol determinou uma eliminatória entre as duas melhores equipes do estado à época, para que a vencedora representasse o estado na competição.

O Figueirense derrotou o Avaí por 1 a 0 no primeiro jogo, no antigo Estádio Adolpho Konder em 13 de maio, com mando do Avaí. Três dias depois, o clássico que terminou em empate sem gols no Estádio Doutor Hercílio Luz, em Itajaí, no mando do Alvinegro, garantiu o primeiro acesso à Série A do Furacão do Estreito. Com isso, o Figueirense se tornou o primeiro time catarinense a disputar o Campeonato Brasileiro.

2. Avaí 11 x 2 Figueirense, em amistoso – 20/2/1938

Essa foi a maior goleada da história do clássico, com 11 gols do Avaí. Não foi erro de digitação: um dos únicos dois gols de “honra” do Figueirense foi contra, marcado pelo avaiano Vadico. Beck marcou o outro. O jogo foi um amistoso no antigo Estádio Adolfo Konder.

Continua depois da publicidade

Não só marcante pelo esculacho azurra sobre o Figueirense: o jogo também foi a estreia de Saul Oliveira, um dos grandes ídolos do Leão da Ilha e maior artilheiro da história do time, com 401 gols. O atacante também é o maior artilheiro do clássico de Florianópolis, com 41 gols em 45 jogos, todos vestindo a camisa azul e branca.

3. Figueirense 2 x 1 Avaí, final polêmica do Catarinense – 25/7/1999

Título arrancado do Avaí, Genilson saindo de campo só de cueca, spray de pimenta, cavalaria em campo e, no fim, título para o Figueirense: tudo isso marcou a final do Campeonato Catarinense de 1999. Com dois gols do grande ídolo Genilson, a conquista coroou uma das melhores campanhas do Figueirense em campeonatos estaduais. Mas não sem antes causar muitas polêmicas.

O Avaí havia sido campeão da Série C do Campeonato Brasileiro em 1998, o título que brilha a estrela em cima do escudo azurra e orgulha a torcida até hoje. O Leão da Ilha ainda tinha eliminado o Figueirense da Copa do Brasil de 1999 e vencido o primeiro jogo da decisão na Ressacada por 2 a 0. O Figueirense, que tinha a melhor campanha do campeonato, acreditava que ainda assim conseguiria vencer e levar à prorrogação no Scarpelli, para conquistar o título.

O primeiro tempo foi sem gols. O jogo começou mesmo na segunda metade, com o primeiro gol do jogo, de Genilson, o artilheiro daquela temporada do Catarinense. O Avaí reagiu e empatou, com um de Dão. Genilson não deixou páreo e marcou outro, que levou o jogo para prorrogação.

Continua depois da publicidade

No tempo extra, Adilson marcou o gol que daria o título do Catarinense para o Avaí. Entretanto, o gol foi anulado por impedimento de Alex Rossi, que deu assistência. Foi quando a cavalaria entrou em campo e começou a confusão. No final, o Figueirense foi campeão estadual e celebrou diante do torcedor.

4. Avaí 3 x 0 Figueirense, final do Catarinense – 13/5/2012

A vitória do Avaí em casa garantiu não só o título mas também sagrou o clube como o maior campeão do Catarinense à época, com 16 títulos. Antes, os times de Florianópolis estavam empatados, cada com 15 taças do estadual.

No Campeonato Catarinense de 2012, o Leão da Ilha não deu nem chance para o Figueirense: na primeira partida, no Scarpelli, o azul e branco também venceu, por 2 a 0. Com um placar agregado de 5 a 1, o Avaí foi campeão catarinense em final contra o maior rival.

5. Avaí 0 x 1 Figueirense, no aniversário do Avaí – 1º/9/2018

Em 1º de setembro de 1923, o Avaí foi fundado. E 95 anos depois, o clube foi derrotado pelo arquirrival, em casa, no jogo válido pela segunda divisão do Campeonato Brasileiro.

Continua depois da publicidade

O dia que devia ser de comemorações para a torcida do Avaí foi de enterro. O jogo em casa contra o Figueirense, no dia que o clube celebrava 95 anos desde a fundação, acabou com vitória alvinegra.

Esse jogo foi marcado também como o “clássico do helicóptero”, pois no segundo tempo um torcedor do Figueirense caiu da arquibancada e precisou de atendimento médico. O jogo ficou paralisado e a aeronave do Corpo de Bombeiros precisou pousar no gramado da Ressacada para socorrer o ferido.

6. Avaí 4 x 0 Figueirense, no Catarinense – 4/2/2023

Para compensar a decepção no aniversário de 95 anos, o Avaí representou no clássico do centenário. Em jogo válido pelo Campeonato Catarinense, o Leão da Ilha fez festa em casa e goleou o Alvinegro por 4 a 0.

A cereja no bolo de 100 anos foi o gol contra, marcado pelo Wellison, ex-Figueirense.

7. Figueirense 0 x 2 Avaí, “Clássico do Créu” – 3003/2008

Esse clássico foi marcado pela comemoração do segundo gol do Avaí, marcado por Bebeto. A música “Dança do Créu”, do MC Créu, era o hit do momento. Depois da bola balançar a rede, a torcida avaiana cantava a música na velocidade cinco e o ídolo Marquinhos foi até o alambrado e dançou a coreografia icônica, brincando com os torcedores.

Continua depois da publicidade

Ainda mais: naquele tempo, o Figueirense era o único time catarinense na Série A do Brasileiro. O Avaí estava na segunda divisão da competição, e sem vencer na casa do rival há mais de nove anos. Então essa vitória significou ainda mais para o Leão da Ilha e mostrou que o clássico de Florianópolis é um jogo a parte.

8. Figueirense 2 x 0 Avaí, ‘vingança do créu’ – 13/5/2015

A zoação do créu de Marquinhos não foi esquecida pela torcida alvinegra. Essa vitória no Orlando Scarpelli classificou o Figueirense à terceira fase da Copa do Brasil e rendeu polêmicas. A confusão generalizada depois que o maqueiro William de Souza, do Furacão do Estreito, dançou o créu para os jogadores e a comissão técnica do Avaí e rendeu agressão contra o ex-técnico alvinegro Argel Fucks.

O árbitro da partida, Célio Amorim, repreendeu o maqueiro do Figueirense, que depois da dancinha gerou um tumulto entre os jogadores e a equipe técnica dos dois clubes. Até esse momento, não havia sido identificado nenhum tipo de agressão.

De acordo com Fucks, ele foi cumprimentar o ex-técnico avaiano, Gilson Kleina, e foi surpreendido por um soco na cara do ex-Avaí Eduardo Costa.

Continua depois da publicidade

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) determinou um gancho de cinco jogos de suspensão para Costa, cumpridos no Brasileirão. O Avaí e o Figueirense foram punidos em R$ 10 mil cada. O Alvinegro, além da multa pela invasão dos torcedores ao gramado após a partida, também pagou R$ 2 mil pela conduta do maqueiro, que foi suspenso por 120 dias.

9. Avaí 0 x 4 Figueirense, na reta final da Série B do Brasileiro – 3/11/2013

A icônica goleada do Figueirense sobre o Avaí tirou o Leão da Ilha do G-4 na Ressacada. A vitória avaiana, além de garantir o lugar na zona de acesso, diminuiria as chances do Alvinegro de subir. Na temporada seguinte, o Figueirense subiu para a primeira divisão e o Avaí continuou na segunda.

Com a derrota, o Avaí saiu da G-4 e foi para a quinta posição da tabela. O Figueirense continuou na décima e escalou até a quarta até o final do campeonato, classificação que garantiu uma vaga na Série A do Campeonato Brasileiro de 2014.

Esse jogo memorável também rendeu confusão na arquibancada e uma paralisação de dois minutos depois de um torcedor acertar a cabeça do Marquinhos com um rolo de papel higiênico.

Continua depois da publicidade

*Lia Capella é estagiária sob a supervisão de Diogo Maçaneiro

Publicidade

Além de muita informação relevante, o NSC Total e os outros veículos líderes de audiência da NSC são uma excelente ferramenta de comunicação para as marcas que querem crescer e conquistar mais clientes. Acompanhe as novidades e saiba como alavancar as suas vendas em Negócios SC

Destaques do NSC Total