nsc
    santa

    Transporte

    Prefeito de Blumenau anuncia rompimento com o Consórcio Siga e cidade fica sem ônibus

    Situação de emergência foi decretada e Blumenau estará sem transporte coletivo por no mínimo sete dias a partir deste domingo

    23/01/2016 - 09h02 - Atualizada em: 23/01/2016 - 13h15

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    Decisão foi divulgada na prefeitura na manhã deste sábado
    Decisão foi divulgada na prefeitura na manhã deste sábado
    (Foto: )

    O prefeito de Blumenau, Napoleão Bernardes (PSDB), colocou um ponto final no contrato com o Consórcio Siga, responsável pelo transporte coletivo na cidade. Após meses de crise no sistema, o prefeito alegou o descumprimento do contrato de concessão para justificar sua decisão. A partir do primeiro minuto de domingo a cidade estará sem transporte coletivo até que o Executivo contrate emergencialmente uma empresa para realizar o serviço.

    ::: Prefeitura de Blumenau quer recontratar os trabalhadores do transporte coletivo

    ::: Corredores de ônibus estão liberados para trânsito em Blumenau

    Bernardes também decretou situação de emergência no município. Assim, poderá contratar novas empresas provisoriamente sem a necessidade de um processo licitatório. A expectativa do prefeito é que em no máximo sete dias uma nova empresa comece a circular no município.

    ::: Prefeitura de Blumenau dá ultimato ao Siga e empresas do transporte coletivo

    Também declarou inidôneas as empresas do Consórcio Siga - Glória, Rodovel e Verde Vale - o que as impede de firmarem novos contratos com o município. A declaração foi dada em uma coletiva de imprensa na manhã deste sábado no Salão Nobre de Blumenau. Napoleão estava cercado de secretários municipais e dois vereadores da base aliada.

    - Muitas vezes se apanha calado, sabendo que há uma decisão corajosa a ser tomada no futuro - afirmou o prefeito.

    Antes de tomar a decisão, junto com a equipe técnica, Bernardes analisou os relatórios da intervenção e a defesa do consórico e das três empresas. Os documentos serão encaminhados ao Ministério Público, Tribunal de Contas do Estado e Ministério Público do Trabalho.

    O advogado do Consórcio Siga, Antônio Carlos Marchiori, foi procurado pela reportagem do Santa para comentar a decisão do Executivo, mas ainda não retornou às ligações.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas