O prefeito de Massaranduba, Armindo Sesar Tassi (MDB), renunciou ao cargo do Executivo na segunda-feira (4). O documento foi protocolado e enviado à Câmara de Vereadores da cidade. Tassi chegou a ser preso na quarta fase da Operação Mensageiro. Agora, quem assume a cadeira é seu vice, Odenir Deretti (PP).

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Joinville e região no WhatsApp

Preso ou solto? Veja quais prefeitos da Mensageiro seguem detidos e quais estão liberados

Em carta aberta à comunidade, o político disse que relutou para tomar a decisão “em respeito e consideração aos 5.816 eleitores” que lhe confiaram o voto. No entanto, “após analisar o cenário com mais tranquilidade”, chegou à conclusão que este “é o melhor encaminhamento a ser dado”.

“Precisamos restabelecer um clima de normalidade em nossa cidade, essencial para que as políticas públicas municipais sejam implementadas, sobretudo diante dos desafios típicos de um ano de eleições municipais”, escreveu.

Continua depois da publicidade

Tassi ainda destacou que irá aproveitar o tempo de afastamento da política para se dedicar à sua defesa e à família. “Confio na justiça brasileira e tenho certeza de que, ao final desta jornada, conseguirei provar a minha inocência”, finalizou.

Tassi foi preso na quarta fase da Mensageiro

Armindo Sesar Tassi foi preso na quarta fase da Operação Mensageiro, em abril deste ano, e foi o último chefe do Executivo a virar réu na investigação, que é conduzida pelo Ministério Público e apura a fraude em licitação, corrupção ativa e passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro no setor de coleta e destinação de lixo em diversas regiões do Estado.

Ele foi solto em outubro deste ano e, em decisão, ficou definido que o político utilizasse tornozeleira eletrônica.

As fases da Operação Mensageiro

Primeira fase 

A primeira fase da Operação Mensageiro foi deflagrada em 6 de dezembro de 2022. Nesta etapa foram cumpridos 15 mandados de prisão preventiva e 108 de busca e apreensão nas regiões Norte, Sul, Vale do Itajaí e Serra. 

Continua depois da publicidade

Segunda fase  

Deflagrada em 2 de fevereiro deste ano, na segunda fase foram cumpridos quatro mandados de prisão e 14 de busca e apreensão no Sul e na Serra catarinenses. Ela foi um desdobramento das provas colhidas com as primeiras prisões, em dezembro de 2022. 

Principais alvos:  

  • Antônio Ceron, prefeito de Lages 
  • Vicente Corrêa Costa, prefeito de Capivari de Baixo  

Terceira fase 

Essa etapa foi deflagrada em 14 de fevereiro deste ano. Ao todo, foram cumpridos dois mandados de prisão preventiva e oito de busca e apreensão, todos em cidades do Sul de SC. 

Principais alvos:  

  • Joares Ponticelli, prefeito de Tubarão  
  • Caio Tokarski, vice-prefeito de Tubarão 

Quarta fase 

Foi deflagrada na última quinta-feira, dia 27 de abril, com o cumprimento de 18 mandados de prisão e 65 de buscas nas regiões Sul, Planalto Norte, Alto Vale e Vale do Itapocu. As ações ocorrem em Massaranduba, Imaruí, Três Barras, Gravatal, Guaramirim, Schroeder, Ibirama, Major Vieira, Corupá, Bela Vista do Toldo, Braço do Norte e Presidente Getúlio. 

Continua depois da publicidade

Principais alvos: 

  • Luiz Carlos Tamanini (MDB), prefeito de Corupá 
  • Adriano Poffo (MDB), prefeito de Ibirama 
  • Adilson Lisczkovski (Patriota), prefeito de Major Vieira 
  • Armindo Sesar Tassi (MDB), prefeito de Massaranduba 
  • Patrick Correa (Republicanos), prefeito de Imaruí 
  • Luiz Shimoguri (PSD), prefeito de Três Barras 
  • Alfredo Cezar Dreher (Podemos), prefeito de Bela Vista do Toldo 
  • Felipe Voigt (MDB), prefeito de Schroeder 
  • Luis Antonio Chiodini (PP), prefeito de Guaramirim

Leia também

Quais os prefeitos de SC que renunciaram ou perderam o cargo após prisões na Operação Mensageiro

Destaques do NSC Total