nsc
    dc

    Covid-19

    Presidente do STF, Luiz Fux, é diagnosticado com coronavírus

    A assessoria do tribunal informou que o ministro passa bem e que ficará em isolamento nos próximos 10 dias

    14/09/2020 - 16h06

    Compartilhe

    Por Folhapress
    Presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux
    Presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux
    (Foto: )

    O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux, foi diagnosticado com coronavírus nesta segunda-feira (14).

    Segundo a assessoria do tribunal, o ministro passa bem. Ele foi submetido a exame no Rio de Janeiro após apresentar aumento da temperatura corporal.

    > Testes com vacina de Oxford recomeçam nesta segunda-feira, no Brasil

    A comunicação do STF afirmou que Fux pretende conduzir a sessão da próxima quarta-feira (16).

    Este será o primeiro encontro de todos os ministros após ele ter assumido a presidência da corte, na última quinta-feira (10).

    As sessões do tribunal têm sido realizadas por videoconferência, com a presença apenas do presidente no plenário físico. Na posse de Fux, porém, foram reservados 48 lugares para integrantes do tribunal e amigos e familiares do ministro.

    Segundo a assessoria, "a suspeita é de que possa ter contraído o novo coronavírus em almoço de confraternização familiar no último sábado (12)".

    A assessoria informou que o ministro seguirá os protocolos de saúde e ficará em isolamento nos próximos 10 dias.

    Na última sexta-feira (11), um dia depois de assumir a presidência, Fux divulgou a pauta de julgamentos do plenário até o fim deste ano sem a presença de temas polêmicos.

    O magistrado evitou levar para análise conjunta da corte processos que discutem a descriminalização das drogas, do aborto e a implementação do juiz de garantias.

    > Ventos chegam a 81km/h em Santa Catarina nesta segunda-feira

    Por outro lado, priorizou questões de impacto financeiro e marcou para 3 de dezembro o julgamento da ação que trata da distribuição dos royalties do petróleo entre os entes da federação.

    O caso discute uma lei aprovada pelo Congresso que divide as verbas da exploração de petróleo e gás de forma mais igualitária entre todos os estados, o que prejudica os produtores, como Rio de Janeiro e Espírito Santo.

    O STF irá decidir se mantém a decisão liminar (provisória) de 2013 em que a ministra Cármen Lúcia suspendeu a aplicação da legislação.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Política

    Colunistas