nsc
    dc

    Aviação

    Procon de Florianópolis notifica Avianca por cancelamentos de voos na cidade

    Empresa cancelou mais de 100 voos, nos três aeroportos onde atuava em Santa Catarina

    23/04/2019 - 17h44 - Atualizada em: 23/04/2019 - 21h47

    Compartilhe

    Por Samuel Nunes
    Com o cancelamento das rotas, Chapecó terá apenas um voo para Florianópolis
    Com o cancelamento das rotas, Chapecó terá apenas um voo para Florianópolis
    (Foto: )

    O Procon de Florianópolis decidiu notificar a Avianca, nesta terça-feira (23), em virtude dos cancelamentos de voos provocados pela crise que a empresa passa. Na segunda-feira (22), a companhia aérea precisou devolver 18 das 25 aeronaves que ainda possuía, por falta de pagamento. Desde dezembro de 2018, a empresa passa por um processo de recuperação judicial.

    Segundo a prefeitura, a notificação foi entregue a um funcionário da Avianca que ainda trabalhava no Aeroporto Hercílio Luz. Após a entrega do documento, a empresa terá prazo de 10 dias para apresentar uma justificativa pelos cancelamentos e apresentar uma solução aos passageiros que tiveram os voos cancelados.

    A crise da Avianca também atingiu outros dois aeroportos catarinenses, o de Chapecó, no Oeste, e o de Navegantes, no Litoral Norte. Com os cancelamentos nesses dois terminais, a empresa parou de atender os passageiros no Estado.

    Procurada, a Avianca tem se posicionado apenas por uma nota, divulgada no site oficial da empresa, em que trata sobre os cancelamentos já realizados e traz a lista dos voos com problemas em todo o país. São mais de 1 mil rotas que deixaram de ser atendidas pela empresa.

    Empresários apostam que outras empresas assumam voos

    O presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Florianópolis (SHRBS), Estanislau Bresolin diz que a expectativa do setor é de que outras empresas possam assumir os voos cancelados pela Avianca. Ele diz que, nesses primeiros dias, o setor ainda não sofreu nenhum impacto com cancelamentos de diárias.

    Bresolin defende que tanto as empresas do setor de turismo, quanto os governos estadual e municipal devem atuar juntos, para garantir o atendimento aos passageiros.

    — O próprio aeroporto, com o novo terminal, vai querer que aumentem e não diminuam os voos — diz, em referência à concessionária que está investindo na ampliação do Aeroporto Hercílio Luz.

    O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (Fecomercio-SC), Bruno Breihaupt, também destacou o impacto que os cancelamentos podem gerar na região Oeste. Com a falta da Avianca, o Aeroporto Serafim Enoss Bertaso acabou ficando com apenas um voo ligando Chapecó a Florianópolis.

    — É uma situação que incomoda e nós vamos ter que rever tudo isso e gerenciar com outras empresas, para que tenham outros horários — diz.

    A prefeitura de Chapecó informou que a companhia Gol deverá anunciar em breve um aumento na participação do aeroporto da cidade.

    A Floripa Airport, que administra o Aeroporto Hercílio Luz, informou que está dando todo o suporte à Avianca e aos passageiros, com orientações e organização. A empresa também informou que mantém uma equipe focada exclusivamente no desenvolvimento de novas rotas.

    A Infraero, que administra o Aeroporto de Navegantes, informou que não vai se manifestar a respeito. A Santur, autarquia do governo responsável por gerenciar o turismo no Estado, foi procurada, mas a presidente da entidade estava em viagem e não pode dar entrevista sobre o assunto.

    Como proceder agora

    Quem teve o voo cancelado pela Avianca poderá solicitar o reembolso da passagem. O pedido pode ser feito no site da companhia. Ao preencher o formulário, os passageiros devem clicar no campo "Cancelamento de voo gerado pela Avianca". Quem adquiriu os bilhetes por meio de alguma agência de viagens precisa procurar a empresa que emitiu as passagens.

    Quem tiver problemas pode entrar em contato com os órgãos de defesa do consumidor ou então com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Uma terceira alternativa é registrar a reclamação no site www.consumidor.gov.br. As queixas feitas nessa plataforma devem ser respondidas em até 10 dias.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Economia

    Colunistas