nsc
dc

Consumidor

Procon fecha dois postos por venda de combustível adulterado em SC

Quarta fase da operação Bomba Suja ocorreu em Itapema e Tubarão e identificou inconformidades nos produtos vendidos

29/07/2020 - 16h57

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Agentes fecharam dois postos que estariam vendendo combustível com adulteração
Agentes fecharam dois postos que estariam vendendo combustível com adulteração
(Foto: )

O Procon de Santa Catarina fechou mais dois postos que estariam vendendo combustível adulterado no Estado. A ação desta quarta-feira (29) ocorreu nas cidades de Itapema, no Litoral, e Tubarão, no Sul de SC.

> Casan não identifica aumentos irregulares após questões do Procon de Florianópolis

Segundo o Procon, no posto de Itapema, o óleo diesel apresentou teor de enxofre acima do permitido, o que além de prejudicar o motor do automóvel, pode causar danos ambientais, já que o processo de combustão libera no ar o dióxido de carbono, uma substância nociva ao ser humano.

Em Tubarão, ainda conforme o Procon, o posto interditado comercializava etanol com o nível de álcool diferente do sugerido pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). 

Os pontos foram interditados na quarta fase da operação Bomba Suja, que teve início em janeiro deste ano e já interditou e pediu a suspensão do alvará de funcionamento de mais quatro estabelecimentos que teriam cometido infrações semelhantes. Ao todo, foram seis postos flagrados com irregularidades de acordo com o Procon.

O Procon alerta que a falta ou excesso de etanol em relação aos limites estabelecidos pela ANP, como o que teria sido encontrado no posto interditado, compromete a qualidade do produto que chega aos consumidores.

> Banco Central anuncia lançamento da nota de R$ 200

Em 2019, o governador Carlos Moisés sancionou a Lei 17.760, que torna mais rigorosas as punições para irregularidades praticadas na comercialização de combustíveis, podendo fechar o estabelecimento por até cinco anos e impedindo o dono do posto de abrir novas empresas no ramo pelo mesmo período.

> Com informações da assessoria de imprensa do Procon

Colunistas