nsc
    an

    Urbanismo

    Projeto Vale Verde pode ser judicializado após receber parecer contrário na Câmara de Joinville

    Apoiadores da proposta de iniciativa popular vão se reunir para discutir se levarão caso à Justiça

    21/08/2017 - 15h01

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    Outdoors colocados em algumas áreas já divulgam o projeto, como este na Estrada da Ilha
    Outdoors colocados em algumas áreas já divulgam o projeto, como este na Estrada da Ilha
    (Foto: )

    A comissão de legislação, justiça e redação da Câmara de Vereadores de Joinville apresentou na tarde desta segunda-feira parecer contrário ao projeto de iniciativa popular conhecido como Vale Verde. A proposta é redefinir o uso do solo na região da bacia do rio Cubatão, transformando-a em urbana, e permitir a construção de empreendimentos de baixo impacto e a regularização fundiária, sem perder a característica rural. Com a decisão, a judicialização deve ser o próximo passo tomado pelo grupo de apoiadores do projeto.

    Leia as últimas notícias sobre Joinville e região no AN.com.br

    O problema apresentado foi que a lista com mais de 19 mil nomes de apoiadores da ideia, apesar de ter o número mínimo de nomes e título eleitorais, continha menos de 500 assinaturas. Por isso, o parecer da diretoria jurídica afirma que o projeto não preenche os requisitos essenciais à sua tramitação. Segundo a consultoria jurídica da Câmara, a falta de assinaturas é um problema de protocolo, mas que poderia ser questionado judicialmente no futuro, caso o projeto viesse a ser aprovado e virasse lei.

    O presidente da comissão, vereador Maurício Peixer, afirmou que mesmo que os apoiadores do Vale Verde consigam as assinaturas faltantes da lista é muito possível que o projeto seja barrado na comissão de Urbanismo por questões técnicas que envolvem a Prefeitura. Por isso, o parlamentar sugeriu que os idealizadores da proposta conversem com o Executivo para saber o que está sendo pensado para a região que seria impactada pelo Vale Verde.

    Para Alodir Cristo, um dos idealizadores do Vale Verde, a lei orgânica do município não diz explicitamente que é necessária a assinatura das pessoas no caso de um projeto de iniciativa popular. Segundo ele, houve uma rigidez técnica do Legislativo. Agora, ele se reunirá com o grupo de 12 associações, 44 entidades, moradores e proprietários de terrenos da região para apresentar o parecer da comissão e discutir os próximos passos.

    — Os vereadores disseram que vão falar com o prefeito. Então, ou a Prefeitura senta conosco para conversar ou vamos judicializar — garante.

    Outra possibilidade que poderá ser discutida a partir de agora é a de algum vereador assumir o projeto para tentar facilitar a tramitação. Durante a reunião da comissão desta segunda-feira, um parlamentar já questionou a consultoria jurídica para saber se isso seria possível.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas