Uma sigla bem pequena, mas que assusta muito: o HIV, como é conhecido o Vírus da Imunodeficiência Humana, é uma doença que ainda causa muita confusão em quem recebe o diagnóstico ou está percebendo alguns de seus sintomas. O que é o HIV? Qual a diferença entre HIV e Aids? Essas e outras perguntas são bastante comuns, especialmente por serem doenças muito associadas ao sexo. 

Continua depois da publicidade

As infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) são grandes tabus em nossa sociedade, o que dificulta o acesso à informação e faz com que, ainda hoje, o HIV e a Aids sejam problemas de saúde pública no país: segundo dados do Ministério da Saúde, houve um aumento de 17,2% nos casos entre os anos de 2020 e 2022.

A infectologista do Hospital Santa Catarina de Blumenau, Fernanda Arns de Castro, explica:

— Quanto menos se fala, menos conscientização sobre as formas de prevenção temos e maior é o preconceito, o que dificulta o diagnóstico precoce e a adesão ao tratamento, além de aumentar os sentimentos de culpa e de vergonha de quem vive com HIV.

Entrega de kits com seringas a usuários de drogas ajudou cidade de SC a combater HIV

Continua depois da publicidade

O que é o HIV

HIV é o nome dado a um retrovírus que ataca o sistema imunológico, comprometendo a capacidade do organismo de combater doenças e infecções. As células mais atingidas pela infecção são os linfócitos T CD4+, e o vírus é capaz de alterar o DNA dessa célula e fazer cópias de si mesmo, multiplicando-se e ampliando o alcance da doença, enfraquecendo o sistema imune.

Transmitido principalmente por meio do contato com fluidos corporais (sangue, esperma, secreções vaginais e leite materno), o HIV é transmitido, em especial, pelas relações sexuais sem proteção, pelo compartilhamento de agulhas contaminadas, e também de mãe para filho, durante a gestação, parto ou amamentação.

Uso de preservativo de forma adequada é o método mais fácil de evitar a infecção por HIV (Foto: Canva)

Diferença entre HIV e Aids 

Se não tratado, o HIV pode evoluir para a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS). No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, ao longo da última década, mais de 52 mil jovens de 15 a 24 anos com HIV desenvolveram a doença. Essa evolução ocorre, de acordo com a infectologista, devido ao enfraquecimento do organismo, que se torna suscetível a outras infecções.

— É importante lembrar que um paciente em estágio de Aids, ao realizar o tratamento correto pode melhorar sua defesa e sair desse estágio — completa a infectologista do Hospital Santa Catarina de Blumenau.

Continua depois da publicidade

Atualmente, não existe uma cura definitiva para o HIV, mas a infecção pode ser controlada eficazmente com tratamento antirretroviral (TAR), que ajuda a suprimir a replicação do vírus, preservando a função imunológica e melhorando a qualidade de vida dos pacientes.

A prevenção do HIV envolve práticas seguras durante a atividade sexual, o uso de preservativos, o compartilhamento seguro de agulhas e, em casos específicos, a administração de medicamentos antirretrovirais como profilaxia pré-exposição (PrEP) para pessoas em situações de maior risco. O entendimento do HIV, seus modos de transmissão e estratégias preventivas são essenciais para lidar eficazmente com essa infecção globalmente significativa.

Quais os sintomas de HIV

O HIV é uma doença bastante silenciosa: em muitos casos, não apresenta sintomas e, em alguns pacientes, se manifesta por meio de mal-estar, febre, cansaço, dor de cabeça e gânglios pelo corpo. Os primeiros sintomas costumam aparecer de duas a quatro semanas após a infecção, mas, por serem muito semelhantes aos de uma gripe ou virose, nem sempre a doença é a primeira opção de diagnóstico.

Os sintomas são parecidos em pacientes do sexo feminino e masculino. É comum que a pessoa infectada tenha quadros frequentes de diarreia, perca peso rapidamente, e comece a ter gripes, sinusite, rinite, pneumonia, herpes simples (na boca) e herpes zoster (na pele). Isso ocorre devido ao enfraquecimento do sistema imunológico que, com baixa defesa, acaba permitindo que doenças oportunistas se desenvolvam.

Continua depois da publicidade

Pessoas que têm vida sexual sem uso de preservativo devem procurar testagem, explica infectologista do Hospital Santa Catarina de Blumenau (Foto: Canva)

Quando devo procurar um teste

Conforme a infectologista, todas as pessoas que têm vida sexual ativa sem uso de preservativo devem se testar, pois quanto mais precoce o diagnóstico, melhor.

— O diagnóstico do HIV é feito por meio de exames,  que podem ser o teste rápido com sangue ou saliva, e exames de sangue, como o exame do anti-HIV. A frequência da testagem varia conforme o número de parceiros ao longo do ano, mas, idealmente, todos devem testar ao menos uma vez no ano — destaca Fernanda Arns.

Se, ao fazer o teste, a pessoa receber um diagnóstico positivo, o próximo passo é buscar atendimento especializado com um médico infectologista ou a central de atendimento mais próxima para iniciar o acompanhamento. O HIV não tem cura, mas, por meio do tratamento, é possível ter qualidade de vida.

— Ao se descobrir com HIV, é importante respirar com calma e estar ciente de que o diagnóstico não é uma sentença. É possível manter os sonhos e planos apesar do diagnóstico. É também necessário estar atento às maneiras de prevenção e testagem regular — finaliza Fernanda.

Continua depois da publicidade

O Hospital Santa Catarina de Blumenau é referência no Estado e conta com uma equipe de especialistas em diversas áreas da medicina. Fundado em 1920 pela Comunidade Luterana do município, o hospital possui hoje 152 leitos de internação em uma área de mais de 21 mil metros quadrados. O HSC possui infraestrutura de CT, UTI neonatal e pediátrica, clínica de saúde mental, salas cirúrgicas e uma equipe que chega a mil colaboradores.

Reportagem por Natália Huf

Destaques do NSC Total