O trabalho desenvolvido pela professora doutora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Regina de Fátima Peralta Muniz Moreira, conquistou o segundo lugar na categoria “Pesquisadora Destaque”, subcategoria “Ciências Exatas”, do Prêmio Confap de Ciência, Tecnologia e Inovação – Professora Johanna Döbereiner. A solenidade referente à edição de 2023 da premiação ocorreu na quarta-feira (13), em Brasília.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

A pesquisadora recebeu o prêmio durante a solenidade de abertura do 63º Fórum Nacional Consecti & Confap. A premiação tem como objetivo selecionar pesquisadores com trabalhos que contribuam para o desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação (CTI) e profissionais da área de comunicação que atuem na divulgação da CTI.

Regina enfatiza que ter recebido a premiação a fez lembrar dos momentos de sua carreira e das pessoas que contribuíram com o desenvolvimento de seu trabalho. Segundo ela, foi uma honra ter sido indicada pela UFSC, onde atua como professora e pesquisadora, e ter sido selecionada pela Fapesc dentre tantos profissionais altamente qualificados que atuam em Santa Catarina.

— Ter recebido essa homenagem é realmente muito emocionante para qualquer profissional que esteja trabalhando há tantos anos na ciência e na tecnologia. Chegar até a cerimônia final e conseguir o segundo lugar realmente me faz pensar em toda a minha carreira, todas as dificuldades, todos os êxitos, em muita gente que passou pelo meu laboratório, em todos os alunos que contribuíram com o meu trabalho — diz a professora.

Continua depois da publicidade

Regina ainda ressalta a importância de receber esse prêmio na posição de mulher pesquisadora:

— Não posso deixar de mencionar o fato de que, como representante das mulheres na ciência, me sinto ainda mais honrada. É uma imensa alegria poder compartilhar essa vitória com outras pesquisadoras — destaca.

A pesquisadora

Regina tem graduação em Engenharia Química pela Universidade Estadual de Maringá, mestrado e doutorado em Química pela UFSC e pós-doutorado na Universidade de Porto, em Portugal. Atualmente, trabalha como professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química da UFSC. 

A professora premiada possui experiência na área de Engenharia Química, com ênfase em tratamentos e aproveitamento de rejeitos e aplicação de processos nanotecnológicos, atuando principalmente nos temas: tratamento de efluentes, adsorção, processos oxidativos avançados e catálise heterogênea.

*Sob supervisão de Andréa da Luz

Leia também

Branqueamento de corais na costa brasileira preocupa ICMBio; SC monitora

Mapa mostra áreas de Santa Catarina que poderão ficar submersas até 2030

Destaques do NSC Total