Ednaldo José Marcos, conhecido como Nado, é o vereador que foi alvo da Operação Backbone, que apura um esquema de corrupção na Câmara de Joinville. Segundo fontes do colunista Ânderson Silva, Nado é suspeito de envolvimento com a prática de “rachadinhas”.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Joinville e região no WhatsApp

Conforme a Polícia Civil, parte das remunerações dos assessores do vereador eram recolhidos com objetivo de gerar enriquecimento e vantagens políticas tanto em prol do legislador investigado quanto de seus aliados.

Vigilante “vítima” de roubo em concessionária da BMW é suspeito de participar do crime em SC

Nado é vereador desde 2021

Continua depois da publicidade

Ainda de acordo com a Polícia Civil, a suspeita é de que o esquema tenha sido posto em prática em 2021, ano que Nado assumiu na Câmara. Ele ocupou a vaga deixada por Osmar Vicente (à época no PSC que se tornou Podemos), que teve o mandato cassado após o partido ter todas as candidaturas indeferidas pela Justiça Eleitoral.

O esquema seria articulado por agentes de confiança do parlamentar, pessoas que atuam como intermediárias entre o recolhimento dos valores e sua destinação final. A atuação de intermediadores no esquema criminoso é o motivo pelo qual se denominou a operação policial como “backbone”, ou seja, espinha dorsal.

A reportagem do A Notícia entrou em contato com o vereador Nado e seus assessores por meio de ligações e mensagens, mas não obteve retorno até o fechamento desta matéria. 

Mais sobre a Operação Backbone

Nesta quinta-feira (18) foram cumpridos 26 mandados de busca e apreensão em Joinville e Palhoça, nas casas dos suspeitos e, também, no gabinete do vereador investigado na operação. Outras salas da Câmara de Vereadores de Joinville também foram alvo da Polícia Civil.

Continua depois da publicidade

A Operação Backbone foi deflagrada pela 3ª Delegacia de Polícia Especializada no Combate à Corrupção (Decor). Participaram das ações cerca de 80 policiais civis de diversas divisões, de delegacias de Blumenau, São Bento do Sul e Jaraguá do Sul e peritos da Polícia Científica, além do acompanhamento de membros da Comissão de Prerrogativas da Ordem dos Advogados do Brasil.

Em nota, a Câmara informou que a operação está sendo realizada em um único gabinete de vereado e não tem ligação com a estrutura do Poder Legislativo como um todo.

Veja nota da Câmara

Nesta manhã (18/04), por meio da 3ª DECOR – Delegacia de Polícia Especializada no Combate à Corrupção, a Polícia Civil deflagrou, uma operação que apura a suposta prática de conduta popularmente conhecida como “Rachadinha”. Entre os locais está a Câmara de Vereadores de Joinville.

Informamos que a Operação está sendo realizada em um único gabinete de um vereado, em específico, e não tem ligação com a estrutura do Poder Legislativo como um todo.

Continua depois da publicidade

Os Policiais estão no prédio da Câmara para a realização da operação Backbone e no cumprimento do dever o Legislativo está colaborando.

Até o momento, são as informações a serem repassadas.

Leia também

Com salários de até R$ 14,7 mil, cidade mais antiga de SC abre concurso público

Combustíveis e gás de cozinha ficam mais baratos em Joinville no mês de abril

“Vale cada minuto”: veja fotos de casa veleiro disponível para alugar em praia de SC

Destaques do NSC Total