O desenho animado “Os Simpsons”, da Fox, é conhecido mundialmente por “prever” eventos futuros — como aconteceu com a epidemia de Ebola em 2014 e com a eleição de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos. Por isso, quando a série acerta um acontecimento de grande importância mundial, o fato já é considerado “comum” entre o público.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do Hora no Google Notícias

Clique e participe do canal do Hora no WhatsApp

Mas e quando um sarcófago de 3.500 anos descoberto por arqueólogos no Egito quebra esse paradigma ao exibir desenhos que se assemelham à personagem de Marge Simpson?

Continua depois da publicidade

Conheça a “Marge Simpson da vida real”

Em uma “viagem ao passado”, o caixão descoberto no início de 2023 em um cemitério egípcio mostra uma pintura de uma mulher de pele amarelada utilizando um vestido esverdeado comprido, no estilo “tomara-que-caia”, características ínfimas da personagem de Marge. Ah! E claro, seu legado: a imagem mostra que o cabelo da moça era colorido em tons azuis, moldado no formato retangular.

Ao chegar nas redes sociais, a foto do sarcófago proporcionou diversos momentos de descontração entre usuários da plataforma Reddit. Em fóruns, eles comentaram que essa foi a única vez na história em que “Os Simpsons não fizeram isso primeiro”, visto as semelhanças entre o desenho no objeto e a personagem da história animada.

Continua depois da publicidade

Outros internautas ainda comentaram que, devido às características, isso faria de “Os Simpsons” o “programa de maior duração na história”.

Mas afinal, o que havia dentro do sarcófago?

Arqueólogos descobriram que, dentro do sarcófago, estavam os restos mumificados de Tadi Ist, que era filha do sumo sacerdote de Hermópolis Magna, a capital do 15º nomo, uma das divisões administrativas do Antigo Egito. Segundo John Taylor, curador de Antigo Egito e Sudão do Museu Britânico, ao lado da figura na tampa do caixão estavam sumas sacerdotisas que representavam as 12 horas do dia.

“Eles imaginavam a vida após a morte como uma espécie de jornada que você tinha que fazer para chegar ao paraíso. Mas era uma jornada bastante perigosa, então você precisaria de ajuda mágica ao longo do caminho”, comentou ele em seu blog pessoal. Junto do sarcófago foram descobertos ainda objetos feitos de cerâmica e madeira, incluindo urnas cobertas e vasos canópicos.

Continua depois da publicidade

Shabtis, estatuetas usadas durante práticas funerárias para homenagear os mortos, também foram desenterradas pelos arqueólogos, segundo informações da CNN Brasil.

Leia mais

“A Noite Dos Mortos-Vivos” e a origem do terror zumbi

A identidade desconhecida de Jack o Estripador

Destaques do NSC Total