nsc
dc

Polêmica

Rádio de Santa Catarina se recusa a tocar música de Pabllo Vittar e é acusada de homofobia 

Emissora do Norte do Estado se negou de tocar a música Parabéns lançada recentemente

13/11/2019 - 14h04 - Atualizada em: 14/11/2019 - 14h25

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
(Foto: )

A Rádio Super FM, de Papanduva, no Norte de Santa Catarina, se envolveu em uma polêmica na terça-feira, 12, ao responder para um ouvinte que não tocaria a música Parabéns, de Pabllo Vittar feat. Psirico com a alegação de que “Não sabemos se ele é homem ou mulher”.

(Foto: )

Com a divulgação da conversa do Whatsapp vários internautas começaram a enviar mensagens para a rádio pedindo a música e o assunto ganhou destaque nas redes sociais e está sendo tratado como um caso de homofobia.

Leia também: Contra agressões a homossexuais, Pabllo Vittar lança clipe de "Indestrutível"

Diante da acusação, a rádio se pronunciou publicando uma nota de esclarecimento em sua página no Facebook.

"Devido ao ocorrido no dia de hoje a Direção e a Equipe Da Super FM vem esclarecer.

Sabemos que foi errado o que foi falado na conversa no whatsapp (conversa particular entre ouvinte e locutor ) , pedimos desculpas por isso, o responsável pelas respostas já foi identificado e responderá internamente e administrativamente pelo ocorrido. Mas uma vez toda a equipe da rádio pede desculpas e reforçamos que a rádio não possui posicionamentos preconceituosos de qualquer natureza. Somos contra qualquer tipo de preconceito e desrespeito."

Antes mesmo de publicar o pedido de desculpas a rádio publicou um post avisando que iria tocar a música à pedido dos ouvintes.

Lei de racismo pune homofobia e transfobia

Em junho deste ano o Supremo Tribunal Federal decidiu enquadrar homofobia e transfobia no crime de racismo, tornando o Brasil o 43º país a criminalizar as práticas. De acordo com a decisão é considerado crime ‘praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito’ em razão da orientação sexual da pessoa. A pena é de um a três anos, podendo aumentar de dois a cinco anos caso ocorra ampla divulgação em meios de comunicação e redes sociais.

Leia as últimas notícias do NSC Total

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Colunistas