nsc
nsc

Saúde

Ramsay Hunt: entenda o que é a síndrome que afeta o cantor Justin Bieber

Doença tem o título de síndrome por conta das lesões e da necessidade de tratar a infecção pelo vírus

23/06/2022 - 17h00

Compartilhe

Portal
Por Portal EdiCase
Cantor Justin Bieber com camiseta preta em apresentação
Síndrome de ramsay hunt paralisa rosto do cantor Justin Bieber
(Foto: )

Recentemente o cantor Justin Bieber usou as redes sociais para anunciar que estava com uma paralisia facial, causada pela Síndrome de Ramsay Hunt. No vídeo, o cantor fala sobre a condição e demonstra que não consegue piscar ou movimentar a boca em um dos lados do rosto.

> Clique aqui e receba notícias no WhatsApp

Segundo a neurologista Viviane Moroni Felici, a doença que acometeu o artista canadense é semelhante à paralisia de Bell, tendo como diferença a origem do problema. “As duas síndromes se referem a uma paralisia facial periférica. A diferença é que a Ramsay Hunt é desencadeada por um quadro de herpes-zóster no ouvido. Ela forma lesões bolhosas que acabam atingido o nervo, que inflama e causa a paralisia”, diz a médica.

O que é a herpes-zóster?

A herpes-zóster, causada pelo vírus varicela-zoster, é conhecida popularmente por outros nomes, como “cobreiro” ou “comichão”, e costuma acometer o tronco dos pacientes. As lesões costumam ser bastante doloridas. Quando ela acomete o ouvido, causa a Ramsay Hunt. E isso pode acontecer com qualquer pessoa que teve catapora na infância. Isso porque o vírus fica adormecido, mas, em um momento de baixa imunidade, pode despertar.

“Por quase todo mundo ter tido catapora, não tem como prever quem será acometido, não existe um grupo de risco. O principal sintoma da doença é a dor de ouvido, que pode ser muito forte por conta das lesões. A dor, inclusive, pode aparecer antes dessas bolhas. E, depois que elas aparecem, ou no mesmo momento, vem a paralisia”, ressalta Viviane.

A médica ainda explica que a doença não costuma acometer novamente o mesmo paciente e recebe o título de síndrome por conta das lesões e da necessidade de tratar a infecção pelo vírus. E não pela paralisia, mas por conta das lesões, a doença pode progredir para uma meningite e, por isso, o tratamento é de extrema importância.

> 5 dicas para perder o medo de doar sangue

Ilustração de um rosto afetado pela paralisia facial
Síndrome de ramsay hunt pode paralisar o rosto do paciente
(Foto: )

Tratamento para a síndrome de Ramsay Hunt

Quando diz respeito ao tratamento, a Ramsay Hunt também se difere da paralisia de Bell. Isso porque o paciente precisará tomar remédios antivirais utilizados no tratamento da infecção da herpes-zoster.

“No geral, quando se fala em paralisia facial periférica recente, sempre receitamos um corticoide por uma semana. Na Ramsay, entramos com os antivirais. Depois de um período de cerca de 15 dias, encaminhamos para a fisioterapia facial. Esse tempo é necessário porque o paciente tem muita dor no início, o que seria incômodo durante os exercícios”, explica a médica.

> Entenda por que noites mal dormidas podem prejudicar o funcionamento do corpo

Diferença entre a síndrome e o AVC

Vale ressaltar que mesmo após o tratamento, é possível que o paciente fique com sequelas, com parte do rosto ainda paralisado. Além disso, até em casos sem sequelas permanentes, os pacientes podem levar até nove meses para recuperar os movimentos, que é o tempo que o nervo pode demorar para desinflamar por completo.

“Quando falamos nesse assunto, é importante pontuar a diferença entre as paralisias periférica e central. A periférica, como as de Bell e a Ramsay Hunt, pega toda uma metade do rosto, inclusive olho e testa. Na central, que é a que o AVC (Acidente Vascular Cerebral) causa, só a parte inferior é acometida. Então, a pessoa não consegue sorrir, mas o movimento do olho e das sobrancelhas se mantém normal”, conclui Viviane Moroni Felici.

*Por Simone Valente

Leia também

Pesquisa estuda efeitos dos antidepressivos no cérebro dos portadores de TOC

Acupuntura pode ajudar no tratamento contra a prisão de ventre

Vaginismo: entenda sobre a disfunção sexual feminina que causa dor

Colunistas