nsc

publicidade

Ensino superior

Reitor afirma que conselheiros da UFFS mudaram resultado após reunião encerrada

Após faltar um voto para aprovar recomendação de destituição, houve nova interpretação sobre número dos votos

01/10/2019 - 17h55 - Atualizada em: 01/10/2019 - 20h06

Compartilhe

Darci
Por Darci Debona
Reitor Marcelo Recktenvald se pronunciou nesta terça-feira (1º)
Reitor Marcelo Recktenvald se pronunciou nesta terça-feira (1º)
(Foto: )

O reitor da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), em Chapecó, Marcelo Recktenvald, e o vice, Gismael Perin, convocaram uma entrevista coletiva para se manifestarem nesta terça-feira (1º) sobre a votação para a destituição deles. Recktenvald e Perin contestam a decisão do Conselho Universitário sobre o tema.

Nesta segunda-feira (30), foi realizada a votação e o pedido de destituição precisava de dois terços dos votos. Como são 54 vagas no conselho, teoricamente seriam necessários 36 votos. O pedido, no entanto, foi aprovado por 35 conselheiros, com 12 votos contrários e duas abstenções. O reitor e o vice alegam que, para definir o resultado, deveria ter sido levado em conta o total de conselheiros, e não o número de pessoas presentes.

— Eu não exerci o direito a voto, mas tenho direito a voto, segundo consta no regimento geral da universidade e também no regimento interno do conselho. Como eles não obtiveram os votos necessários, após encerrada a reunião decidiram dar prosseguimento e aprovar a destituição (...) É como um time que perde por 1 a 0, mas fica campeão, pois poderia perder por 1 a 0. No entanto, quem perdeu o título, após o juiz dar o apito final, vai e tenta mudar as regras — disse Recktenvald.

A crise em torno do reitor da UFFS já teve outros episódios. Primeiro, foi a nomeação. Depois, a ocupação da reitoria, e, agora, a votação do Conselho Universitário. Recktenvald foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro em uma lista tríplice que passou por consulta pública. O problema é que parte da comunidade universitária não aceitou a nomeação, pois o escolhido ficou em terceiro lugar.

Um grupo de conselheiros entrou com um pedido de reavaliação da decisão, por entender que o número seria suficiente, entendendo que o reitor não poderia votar, pois era parte interessada, nem quem comandou a sessão. Na verdade, ambos nem chegaram a votar.

Também houve o questionamento de uma vaga de conselheiro do campus de Cerro Largo (RS), que não estava preenchida. Com isso, a avaliação de alguns conselheiros, entre eles, o professor Vicente Ribeiro, do Sindicato dos Docentes da UFFS, entendeu que eram 51 votos válidos e, por isso, os dois terços haviam sido atingidos.

Os questionamentos da reitoria

Nesta terça-feira, o vice-reitor da UFFS, Gismael Perin, afirmou que, após a votação, não é permitida questão de ordem, como foi solicitada no Conselho, para dar segurança aos resultados das deliberações. Ele também citou que o número de votos para impeachment no Congresso é sobre o número total de cadeiras, e não sobre quem está presente.

No entendimento da reitoria, mesmo que o Conselho tente levar adiante a pauta, ela não terá efeito.

— Para nós, é uma questão superada. O Conselho não pode mudar algo que está no regimento interno – entendeu o reitor Marcelo Recktenvald.

O reitor reconhece que a situação da atual administração no Conselho será difícil, pelo placar da votação, mas afirmou que a instituição não pode ser fragilizada por uma questão que é política.

— Já me manifestei que é uma questão política, que faz parte de um jogo de interesses e de uma disputa que está caracterizada no nosso país. O critério deve ser técnico. O papel exercido pelos conselheiros não pode fragilizar a instituição. O objetivo não é atingir o reitor, destituir o reitor. Existe uma pauta maior que temos clareza e que é um desvio de finalidade – destacou.

Ao final da coletiva, o reitor também falou da liberação de R$ 8,3 milhões que estavam contingenciados pelo governo federal. O reitor afirmou que a universidade não corria risco na questão de custeio, elogiando a gestão de seu antecessor, Jaime Giolo, mas que a liberação de recursos vai ajudar em obras em vários campi, como Chapecó, Passo Fundo (RS) e Laranjeiras do Sul (PR).

Segundo Recktenvald, em Chapecó a prioridade é a conclusão do Bloco C, que vai abrigar a reitoria. A expectativa é dentro de um ano sair do aluguel no centro da cidade, que custa R$ 59 mil por mês.

Deixe seu comentário:

publicidade