nsc
dc

Operação Oxigênio

Respiradores: Justiça nega habeas corpus de quatro presos ligados à Veigamed

Envolvidos na negociação de 200 respiradores com o governo de SC foram presos preventivamente no dia 6 de junho

23/06/2020 - 17h18

Compartilhe

Lucas
Por Lucas Paraizo
Respiradores
Dos 200 respiradores comprados, apenas 50 foram entregues. Modelo é diferente do negociado e não serve para pacientes com covid-19 na UTI
(Foto: )

A Justiça de Santa Catarina negou nesta terça-feira (23) quatro pedidos de habeas corpus de investigados na Operação Oxigênio que tiveram a prisão preventiva decretada no começo do mês. Eles são acusados de envolvimento na compra de 200 respiradores por R$ 33 milhões pelo governo de SC.

Foram negados os pedidos de Pedro Nascimento Araújo (dono da Veigamed), Fabio Guasti (médico e empresário que intermediou a compra entre o governo de SC e a empresa), Davi Perini Vermelho (vereador de São João do Meriti-RJ que mantinha negócios com a Veigamed) e Cesar Augustus Thomaz Braga (representante jurídico da Veigamed).

Dos quatro citados, somente Pedro não está preso ainda. A prisão preventiva dele foi decretada no dia 4 de junho e deveria ter sido cumprida no dia 6, junto dos outros envolvidos, mas ele está foragido desde então. Os outros nomes ligados à Veigamed foram detidos em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Os pedidos foram analisados pelo desembargador Ernani Guetten de Almeida e rejeitados por unanimidade. O desembargador destacou que os indícios de autoria e de materialidade estão "amplamente demonstrados pelos elementos angariados, que apontam a participação dos investigados em negociações escusas entabuladas com o intuito de fraudar a administração pública em período de elevada insegurança".

Além dos quatro nomes ligados à Veigamed, também estão presos preventivamente dois catarinenses: o ex-chefe da Casa Civil do Governo do Estado, Douglas Borba, e o advogado Leandro Barros, que teria sido indicado por Borba para ajudar na negociação com a Veigamed.

Colunistas