nsc
an

Rua do Papai Noel

Rua do Papai Noel voltará a ser decorada em Joinville, após cinco anos sem edição

Moradores falam sobre a tradição que iniciou na década de 1990 na cidade e motivos da paralisação da atração

03/11/2021 - 10h47 - Atualizada em: 03/11/2021 - 14h19

Compartilhe

Sabrina
Por Sabrina Quariniri
Iniciativa em Joinville é de moradores da rua e acontece desde a década de 1990
Iniciativa em Joinville é de moradores da rua e acontece desde a década de 1990
(Foto: )

Aos apreciadores de festas e decorações de final de ano, uma boa notícia: a Rua do Papai Noel voltará a ser atração na cidade, após cinco anos sem edição. O retorno está previsto para 26 de novembro e os moradores da rua Braço do Norte, no bairro Atiradores, já preparam seus adereços.

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

Desde agosto deste ano, uma comissão de moradores se reunia com a Secretaria de Cultura e Turismo (Secult) para discutir a possibilidade da volta da iniciativa, que ocorre em Joinville desde a década de 1990.

Ademar Manoel Eleutério faz parte da comissão dos moradores e tem sua empresa instalada na rua Braço do Norte. Ele conta que a expectativa dos moradores era grande com o retorno, já que, das 31 casas da rua (entre residências e empreendimentos), 29 aceitaram participar - apenas duas famílias não enfeitarão a casa por questões religiosas, mas não se opuseram à decisão.

- Eu abri meu estabelecimento aqui no ano passado, mas eu fui atrás dos números das edições passadas e é fantástico. No auge, teve um fluxo de mais de 200 mil pessoas passando para visitar a Rua do Papai Noel - destaca Eleutério.

Por que parou?

Apesar de muito aclamada na cidade, a atração não acontecia desde 2016. Alguns foram os empecilhos para esta parada, desde moradores que se desfizeram de alguns enfeites até a alta no valor dos produtos.

Eleutério explica que tudo foi intensificado com a vinda da pandemia da Covid-19, quando os moradores realmente acreditaram que o evento não retornaria mais.

- Ao longo dos anos, os moradores vinham acumulando os enfeites e as casas já estavam bem decoradas, pelo acúmulo. Mas acabaram se desfazendo das peças e ficaram receosos com o julgamento, que poderia deixar de ser bonito. Mas, neste ano, os moradores que querem enfeitar, mas não têm condições, estão sendo ajudados por outros - relata o empresário.

Busca por apoio

Eleutério afirma que este retorno está sendo possível também pelo apoio por parte da Prefeitura de Joinville, que se dispôs a apoiar com a iluminação de Natal na rua, segurança no trânsito e também com questões de infraestrutura da via, como pintura do meio-fio, por exemplo, e também com a limpeza.

O município reforça, no entanto, que a decisão de enfeitar as residências é de responsabilidade dos moradores, já que o local não está na rota de decoração natalina da Secult.

Para compensar uma possível falta de decoração, Ademar Eleutério explica que foram lançados alguns projetos em empresas com o objetivo de arrecadação de enfeites. Caso os empresários contribuam, plaquinhas com o nome da empresa serão colocadas nas casas.

Esta alternativa foi buscada após alguns orçamentos que foram levantados em lojas de decoração e pensada para ajudar o morador que não tem condições de comprar os adereços.

- Neste ano, queremos colocar apresentações culturais também. Por isso buscamos parceiros, pessoas que queiram se engajar pra ajudar - finaliza o empresário.

Tradição de família

Vinícius Marcos Allage, de 78 anos, foi um dos pioneiros da Rua do Papai Noel. Ele conta que a tradição foi trazida de sua cidade de origem, Canoinhas, no Planalto Norte catarinense, e compartilhada dentre os vizinhos.

A família, que já tinha costume de enfeitar árvores coloridas e cheias de luzes, se juntou a outras que tinham o mesmo costume e decidiram tornar a rua mais bonita durante o Natal. O que foi surpresa, no entanto, foi o local se tornar ponto turístico e com grande número de visitações.

- Os demais moradores da rua começaram a enfeitar seus jardins e casas até que, nos anos 1990, um grande número de visitantes passou a ir à rua e o jornalista Eli Francisco começou a chamar de Rua do Papai Noel - lembra Allage.

A partir do sucesso que a atração passou a ter, o morador conta que pórticos foram instalados e a via passou a contar com sonorização de músicas natalinas, desde então já custeados pelos próprios moradores. Além disso, o local contava com apresentação de corais. Ao longo dos anos, o trânsito precisou ser fechado durante o período em que ocorria a atração e a Polícia Militar passou a fazer a segurança da rua. 

Allage relembra com orgulho o alcance que a rua passou a ter por iniciativa dos próprios moradores e, hoje em dia, já aposentado, repassa o legado deixado pela família a seu filho, também morador da região, para que a tradição nunca se acabe. 

- A Rua do Papai Noel só teve sucesso porque todos os moradores enganjavan-se no processo. A Rua é muito pequena e só com a colaboração de todos é que deu certo - se oegulha. 

Veja fotos das edições passadas

Leia também

Comércio de SC deve abrir 6,1 mil empregos temporários no Natal, projeta CNC

Homem agride esposa grávida de 8 meses e acaba preso em Jaraguá do Sul

Carro sai da pista, bate em poste e cai em viaduto da BR-101 em Joinville

Colunistas