nsc
an

Homenagem

Rua ganhará o nome de Jutta Hagemann, conhecida como "guardiã" da história de Joinville

Projeto de lei foi aprovado na Câmara de Vereadores e agora vai para sanção do prefeito Adriano Silva

30/11/2021 - 15h57 - Atualizada em: 01/12/2021 - 09h24

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Jutta Hagemann
Jutta Hagemann faleceu aos 92 anos, em dezembro de 2018
(Foto: )

Conhecida como uma guardiã da história de Joinville, Jutta Hagemnn vai dar nome a uma rua do bairro Vila Nova, na zona Oeste da cidade. O projeto de lei para nomear a via foi aprovado na Câmara de Vereadores e agora vai para sanção do prefeito Adriano Silva (Novo).

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

A proposta foi apresentada no Legislativo pelo vereador Cassiano Ucker (Cidadania), sob a justificativa de que, após a implantação do binário do Vila Nova, duas ruas ficaram com o nome de Leopoldo Beninca. Com a aprovação do projeto, um trecho da atual via deve ser renomeado como Jutta Hagemann. 

A joinvilense nasceu em 19 de junho de 1926, quando Joinville tinha 75 anos de fundação, e faleceu em 2018, aos 92 anos. Ela dedicou boa parte de sua vida à preservação da história da cidade, às pesquisas, ao registro da história oral e à coleção de livros e objetos.

> Guardiã da história, Jutta Hagemann viveu Joinville intensamente

Jutta ficou conhecida pelos moradores de Joinville pela memória em relação à história da cidade. Era sempre procurada por estudantes, jornalistas e interessados para falar sobre fatos e prédios históricos.

Também era contribuidora assídua da antiga sessão AN Memória, do A Notícia. Jutta era leitora do jornal desde a década de 1940 e foi homenageada durante a campanha de 90 anos do AN, em 2013.

Conheça um pouco da história de Jutta Hagemann

Jutta Hagemann nasceu em Joinville, em 19 de junho de 1926, filha de Gerda (nascida Brand) e Conrado Hagemann, neta de Engelbert Hagemann, açougueiro, que imigrou para Joinville em 1862, aos cinco anos, trazido pelos pais; e de Rudolf Brand, marceneiro de formação, dono da Esquadrias de Madeira Brand, que chegou à colônia aos 15 anos, em 1881. 

Jutta trabalhou na Tupy, na Ambalit e depois na Buschle & Lepper, onde se aposentou oficialmente em 1988. Em 1991, voltou para organizar a biblioteca da Buschle & Lepper e ficou mais cinco anos. Trabalho esse que aguçou ainda mais seu gosto pela história da cidade.

Serviu de fonte para documentários históricos, como "Estrangeiros no próprio país", que abordou a vida dos descendentes dos imigrantes Europeus no Estado Novo, e "Centenário de Joinville", além de vários artigos acadêmicos.

Faleceu em 13 de dezembro de 2018, deixando seis netos, pois já havia perdido as duas filhas, Maria Thereza Böbel e Maria Christina Hagemann da Cunha.

Leia também:

Quanto custaria para asfaltar todas as ruas sem pavimentação em Joinville

Joinville tem 54 quilômetros de ruas sem manutenção por não serem oficiais

Por que o déficit do asfalto em Joinville pode ser superior aos 652 km oficiais

Recursos das sobras da Câmara de Joinville devem ser usados na pavimentação comunitária

Joinville aponta como está a situação de 92 ruas mapeadas para pavimentação

Colunistas