nsc
dc

Segurança

SC começa a testar aplicativo com "botão do pânico" para mulheres vítimas de violência

Ferramenta conta com função destinada a mulheres que correm risco iminente de agressão

02/09/2019 - 21h09 - Atualizada em: 02/09/2019 - 21h15

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
Iniciativa é parceria da PM com o Ministério Público de Santa Catarina e o Tribunal de Justiça de Santa Catarina
(Foto: )

O aplicativo da Polícia Militar (PM) que possibilita o registro de emergências e conta com um "botão do pânico" para mulheres vítimas de violência doméstica com medida protetiva de urgência começou a ser testado em Santa Catarina. A ferramenta está em fase de testes desde sexta-feira (30) em cinco cidades do Sul do Estado.

Chamado de "PMSC Cidadão", o aplicativo para smartphones pode ser baixado e utilizado em Criciúma, Treviso, Siderópolis, Nova Veneza e Forquilhinha, cidades que integram o 9º Batalhão da PM. Segundo a corporação, os testes terão duração de 30 dias. Caso a ferramenta seja aprovada, a intenção é disponibilizá-la para todo o Estado.

Uma das funções do aplicativo, o "botão do pânico" é destinado a mulheres que correm risco iminente de um ataque pelo agressor. Quando acionado, emite um alerta às forças de segurança para que a vítima seja socorrida.

— O botão do pânico permite um canal direto da mulher vítima de violência doméstica com a PM. Em função disso, o aplicativo terá integração com o sistema do Tribunal (de Justiça) para alimentar a ferramenta com as informações de medida protetiva e de toda a rede de proteção à mulher — destaca a juíza auxiliar da Presidência do Tribunal de Justiça de SC, Carolina Ranzolin Nerbass Fretta.

Além do "botão do pânico" e do registro de ocorrências, o aplicativo também dá acesso aos serviços da Rede Catarina de Proteção à Mulher, programa de Prevenção da PM presente em 78 cidades do Estado e que atua diretamente com vítimas que possuem medidas protetivas.

O aplicativo "PMSC Cidadão" é uma parceria da PM com o Ministério Público de Santa Catarina e o Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Por enquanto, apenas os celulares com sistema operacional Android podem ter a ferramenta.

Colunistas