nsc
    an

    História

    Seca leva à descoberta de fósseis de 280 milhões de anos em Três Barras, no Norte de SC

    Nível baixo do Rio Negro possibilitou a visualização da estrutura do Mesossauro nas rochas, feita por pessoas da comunidade

    18/05/2020 - 10h36 - Atualizada em: 18/05/2020 - 19h57

    Compartilhe

    Cláudia
    Por Cláudia Morriesen
    foto mostra pesquisadores olhando fóssil
    Pesquisadores de Mafra estão estudando a descoberta
    (Foto: )

    A seca registrada em Santa Catarina nos últimos meses levou a uma descoberta "pré-histórica": fósseis de Mesossauro foram encontrados em rochas de Três Barras, cidade do Planalto Norte catarinense a a 354 quilômetros de Florianópolis. Eles estão sendo estudados pelos pesquisadores do Centro Paleontológico da Universidade do Contestado (Cenpaleo-UnC), de Mafra, que divulgaram a descoberta na semana passada.

    Segundo o paleontólogo Luiz Carlos Weinschütz, coordenador do Cenpaleo, o achado foi possível porque o nível de água do Rio Negro sofreu rebaixamento como efeito da grande seca no Estado, expondo leitos rochosos que por muito tempo ficaram cobertos, nas margens do rio.

    Neles foram encontrados fósseis, identificados inicialmente por Carlos Eduardo Fiolek, coordenador do Museu do Contestado de Três Barras.

    foto mostra os pesquisadores nas margens do Rio Negro
    Trabalho de pesquisa ocorre nas margens do Rio Negro
    (Foto: )

    Com esta informação, os pesquisadores do Cenpaleo foram até o local e reconheceram nestas rochas várias estruturas que são referentes a antigos répteis que viveram na região há cerca de 280 milhões de anos. Eles são chamados de mesossauros.

    — Embora estejamos vivenciando este momento de seca, que é difícil, isso é muito importante para as descobertas da história antiga da região — analisou Weinschütz.

    O pesquisador Everton Wilner explica que os Mesossauros eram répteis aquáticos que viviam em um antigo golfo reconhecido na paleontologia e na geologia como "Golfo Irati". Eles tinham de 80 centímetros a um metro, membranas entre os dedos para facilitar o nado e se alimentavam de pequenos crustáceos.

    — Embora tenha esse nome ele não tem nada a ver com os dinossauros. Ele é até mais antigo que os dinossauros — explica ele.

    foto mostra pesquisador segurando pedaço de rocha e desenho do animal ao lado
    Arte mostra como seria o mesossauro encontrado em Santa Catarina
    (Foto: )

    Mesossauros viveram em Gondwana, o antigo "super continente"

    — Uma característica interessante e que ele é encontrado tanto aqui nas rochas do sul do Brasil quanto nas rochas da África do Sul. A identificação da mesma espécie em horizontes sedimentares semelhantes tanto aqui quanto lá corroborou com as primeiras ideias acerca da deriva continental — afirmou o pesquisador João Henrique Zhadi Ricetti.

    Os fósseis coletados serão preparados no Cenpaleo, em Mafra. Depois, parte desse material coletado será disponibilizado para o Museu de Três Barras, para que a comunidade local tenha a oportunidade de conhecê-los.

    — É bom esclarecer que fósseis são considerados como Patrimônio da União e coletar fósseis e levar para casa, ou pior ainda, comercializar fósseis encontrados em território brasileiro, é considerado crime. Instituições de Pesquisas, Museus e Universidades podem ter a guarda desse material. O ideal é que quando alguém encontrar algo que pareça um fóssil, não tente remover, pois fósseis em geral são frágeis — diz Weinschütz.

    A orientação é que, caso encontre algo que pode ser ou conter um fóssil, a pessoa entre em contato com alguma instituição de pesquisa ou universidade. No Norte de Santa Catarina, a referência é a UnC, no telefone (47) 3641-5514.

    Leia também:

    Aposentado de Santa Catarina dá nome à mais nova espécie de pterossauro encontrada no Brasil

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas