nsc
dc

Mudança na gestão

Secretário de Saúde de SC deixa governo em meio a investigação sobre compra de respiradores

Governo do Estado confirmou em nota pedido de exoneração feito por Helton Zeferino nesta quinta-feira (30)

30/04/2020 - 21h52 - Atualizada em: 01/05/2020 - 10h23

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Secretário comandava ações contra o coronavírus ao lado do governador Carlos Moisés
Secretário comandava ações contra o coronavírus ao lado do governador Carlos Moisés
(Foto: )

O secretário de Saúde de Santa Catarina, Helton Zeferino, pediu exoneração do cargo no fim da tarde desta quinta-feira (30). A saída dele foi confirmada à noite em nota oficial do governo do Estado.

Zeferino deixa o cargo dois dias após a denúncia de supostas irregularidades na compra de 200 respiradores pelo valor de R$ 33 milhões. O valor foi pago adiantado pelo governo do Estado, que ainda não recebeu os equipamentos. A última previsão é de que os aparelhos cheguem ao Estado até 20 de maio.

A denúncia foi revelada em reportagem do portal The Intercept Brasil.

O nome do novo secretário deve ser divulgado nos próximos dias.

O secretário de Saúde também deixa o Estado em meio à pandemia do novo coronavírus. Até a tarde desta quinta, o Estado tinha 48 mortes por causa da covid-19 e 2.394 casos confirmados.

A Assembleia Legislativa (Alesc) havia aprovado na quinta-feira um requerimento que pedia ao governador Carlos Moisés (PSL) o afastamento do secretário de saúde. Segundo os deputados que assinaram o pedido, a medida seria necessária para garantir transparência às investigações sobre o polêmico processo de compra dos respiradores.

Na quarta-feira, o governo de SC disse estranhar o pagamento adiantado e anunciou a abertura de duas sindicâncias na Secretaria de Saúde, uma auditoria na Controladoria-Geral e um inquérito pela Polícia Civil para apurar o caso.

Na nota em que confirma o pedido de exoneração feito pelo então secretário, o governo agradece aos serviços do secretário e lembra que foi na gestão dele que houve uma redução da dívida da saúde do Estado, que chegou a R$ 750 milhões, e parcerias com hospitais filantrópicos.

O Estado também destaca o trabalho feito até aqui no combate à pandemia do coronavírus e conduzido por Zeferino.

A reportagem tentou contato com Zeferino na noite desta quinta para comentar a saída, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.

Leia mais:

MP e TCE abrem investigações sobre compra de respiradores

O que ocorre após as ações da Alesc sobre compra de respiradores

Governo de SC diz "estranhar" pagamento antecipado de R$ 33 milhões

Colunistas