nsc

publicidade

Luz na Infância

Seis pessoas são presas em SC durante operação contra a exploração sexual de crianças e adolescentes

Prisões no Estado ocorreram em Joinville, Blumenau, Florianópolis e Bandeirante

04/09/2019 - 12h41 - Atualizada em: 04/09/2019 - 15h17

Compartilhe

Karollayne
Por Karollayne Rosa
Lucas
Por Lucas Paraizo
Em SC a polícia cumpriu 14 mandados e prendeu seis pessoas. Informações foram repassadas em coletiva de imprensa nesta quarta-feira
Em SC a polícia cumpriu 14 mandados e prendeu seis pessoas. Informações foram repassadas em coletiva de imprensa nesta quarta-feira
(Foto: )

Seis pessoas foram presas em Santa Catarina durante a 5ª fase da Operação "Luz na Infância" que apura casos de exploração sexual contra a crianças e adolescentes. Um investigado teve mandado de prisão preventiva cumprido em Joinville, no Norte do Estado. A ação foi realizada nesta quarta-feira (4) em 14 Estados brasileiros e em outros seis países.

As outras cinco prisões foram feitas em flagrante, durante o cumprimento de 14 mandados de busca no Estado. Uma delas em Florianópolis, outras duas em Joinville, uma no município de Bandeirante, localizado no Extremo-Oeste do Estado, e outra em Blumenau. Os suspeitos foram presos em casa e no ambiente de trabalho, conforme a Polícia Civil.

De acordo com o delegado Gustavo Kremer, da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI), as prisões em flagrante aconteceram no momento das buscas, quando peritos do IGP identificava o armazenamento de materiais contendo exploração sexual infanto-juvenil.

A polícia irá investigar também um caso de estupro de vulnerável na Capital a partir de indícios encontrados durante as buscas. Além de armazenar arquivos, um homem, que está preso por outro crime, teria tido envolvimento com uma criança de 12 anos.

Conteúdos eram compartilhados por meio da internet

Todos os investigados foram presos por armazenamento de conteúdos relacionados à exploração sexual de crianças. Os materiais eram distribuídos na internet.

— A maioria dos compartilhamentos era feita por meio de redes P2P (programas de compartilhamento de arquivo), para não serem rastreados — explicou a diretora de polícia, Eliane Chaves.

Conforme o delegado Gustavo Kremer, a maioria das informações foi recebida por meio de denúncias feitas pelo 181. Em outros casos, a denúncia foi encaminhada à Polícia Civil pelo Ministério da Justiça.

— Recebemos informações e encontramos diversas evidências da exploração. A internet hoje tem um caminho muito vasto de opções. Cada um age de uma maneira diferente, em sites, redes sociais. Internet pode parecer terra sem lei, mas a polícia tem meios para apurar esses crimes — afirmou o delegado.

Segundo a polícia, os alvos na operação não tinham envolvimento. Foram denúncias individuais pelos mesmos crimes.

Buscas na Grande Florianópolis, Norte, Vale do Itajaí e Extremo-Oeste de SC

Em Santa Catarina, a operação iniciou na manhã desta quarta-feira (4), por volta das 5h. Os mandados de buscas foram cumpridos na Grande Florianópolis e nas regiões Norte, Vale do Itajaí e Extremo-Oeste do Estado. Cinco deles na Capital, um em Tijucas, três em Joinville, um em Guaramirim, um em Balneário Camboriú, um em Blumenau, um em Indaial e um no município de Bandeirante.

Em Florianópolis, as buscas ocorreram nos bairros Cachoeira do Bom Jesus, Rio Vermelho, Coqueiros, Itacorubi e Centro. Em Joinville as três prisões foram registradas nos bairros Vila Nova, Comasa e Paranaguamirim.

Além do Estado catarinense, ordens judiciais estão sendo cumpridas no Amazonas, Amapá, Alagoas, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraná, Piauí, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e no Distrito Federal.

A operação acontece também nos Estados Unidos, Paraguai, Chile, Equador, Panamá e El Salvador. Ao todo, 312 mil arquivos apreendidos serão analisados.

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

publicidade