Todos nós ouvimos nas últimas décadas que o aquecimento global seria um grande problema para a humanidade. Entretanto, por ser algo que não estava perceptível no cotidiano, muita gente ignorava. 

Continua depois da publicidade

Agora isso está cada vez mais na nossa porta. Por isso, confira nessa reportagem alguns sinais de que estamos em um ponto muito sério.

Siga as notícias do Hora no Google Notícias

Arraste para o lado e veja sinais do aquecimento global 

Antes de mais nada, nosso planeta está dando muitos avisos de que algo grave está acontecendo. Por isso, separamos nesta lista, apenas 5 desses sinais e falamos um pouco de cada um.

Continua depois da publicidade

Derretimento de geleiras

Um dos problemas mais graves do aquecimento global é o aumento da temperatura dos pólos. De acordo com o relatório climático da ONU, as calotas estão derretendo 6 vezes mais do que na década de 90. De acordo com o G1, em setembro de 2023, o nível do gelo marinho atingiu uma baixa histórica, o que preocupa devido ao alto nível do mar.

A temperatura está alta a ponto de nascerem flores na região, algo inimaginável anos atrás.

Recordes de temperatura

Cada vez mais temos recordes de temperaturas mais altas sendo batidos com cada vez mais frequências. Segundo a Organização Meteorológica Mundial, os últimos 8 anos foram seguidamente os anos mais quentes já registrados.

Aqui no Brasil pudemos observar isso recentemente. Mesmo estando na primavera, em setembro de 2023, a onda de calor chegou a bater recordes de temperatura. De acordo com o G1, o dia 24 de setembro foi o mais quente da história de Belo Horizonte, com 37,1 graus.

El Niño e La Niña influenciaram 20 desastres em SC em quase 50 anos

Plástico nos oceanos

Um problema que é pouco falado, mas que também é um bom demonstrativo é o plásticos dos oceanos. De acordo com o portal Terra, há mais de 171 trilhões de partículas de plástico na água só do mar mediterrâneo. Isso gera influência no clima ao dificultar a fotossíntese das algas, plantas marinhas que regulam o regime de chuva.

Continua depois da publicidade

Secas longas no mundo todo

O ano de 2023 foi de secas históricas em no mínimo três continentes.  Na Europa, o último verão chegou a deixar dois terços do continente em alerta. Segundo um relatório da União Europeia, essa foi a pior seca dos últimos 500 anos. Já o chifre da África, formado por países como Etiópia, Somália, Quênia e Sudão, sofreu a pior seca das últimas quatro décadas.

Por fim, a região amazônica também está com uma seca histórica. De acordo com o G1, algumas cidades do Estado do Amazonas estão isoladas, pois a seca dos rios de outubro de 2023 tornou impossível a chegada de pessoas até a região.

Chuvas e enchentes mais frequentes 

Quem acompanha o noiciário brasileiro tem percebido isso até mais do que os outros sinais. Isto pois só no ano de 2023, até o mês de outubro, tivemos três grandes enchentes em território nacional. 

Primeiramente, em fevereiro, o Litoral Norte de São Paulo sofreu com fortes chuvas, os temporais despejaram mais de 500 mm de água e causaram 65 mortes. Já em setembro, foi o Rio Grande do Sul que sofreu com chuvas fortes. A Defesa Civil do estado contabilizou 49 mortes.

Continua depois da publicidade

Por fim, em outubro os habitantes de várias regiões têm sofrido com fortes chuvas. Cidades como Taió e Rio do Sul sofreram com as altas dos rios que passaram de 11 metros. Já em Blumenau, o Rio Itajaí-Açu teve seu maior nível desde 2011.

Leia também

Quantos países existem no mundo em 2023?

As diferenças entre eclipse lunar e solar

Destaques do NSC Total