Os superesportivos de luxo sempre foram almejados por muitos amantes do universo dos automóveis. E por um tempo, pareceu que o Brasil teria seus próprios carrões nacionais para competir com as grandes montadoras estrangeiras. Mas por algum motivo — ou por vários — projetos vistos como promissores não deslancharam. Uma reportagem do UOL elencou cinco carros nacionais que nunca chegaram às concessionárias. Entre eles, um que prometia ser fabricado em Blumenau.

Continua depois da publicidade

O Vorax foi apresentado em grande estilo durante um evento no Restaurante Moinho do Vale em 9 de dezembro de 2010 e prometia ser um marco para a indústria automobilística nacional. Não à toa, o evento na terceira maior cidade de Santa Catarina reuniu lideranças políticas e empresariais que viviam a expectativa de a cidade abrigar uma fábrica do carrão de luxo. Estava tudo alinhado, inclusive com terreno definido, o investimento era dado como certo. Mas o projeto nunca saiu do papel.

Um dos poucos exemplares que chegou a ser produzido passou anos empoeirado na garagem de uma residência às margens da BR-470, em Ascurra, no Vale do Itajaí.

Confira fotos dos superesportivos que nunca chegaram às lojas

Rossin-Bertin Vorax

Apresentado no Salão do Automóvel de 2010 com muita pompa e um estande próprio, a proposta do Vorax era um esportivo com linhas agressivas e planos de produção nacional. Na época, os responsáveis diziam que o carro chegaria ao mercado em 2012 equipado com motor V10 de duas gerações atrás do M5, com 570 cv de potência e câmbio automático, além de tração traseira.

Continua depois da publicidade

DoniRosset

Anunciado em 2012, o modelo foi projetado pelo estúdio Amoritz GT e prometia colocar o Brasil no cenário de carros esportivos. O projeto teria consumido mais de 35 mil horas de desenvolvimento e era inspirado, por assim dizer, no McLaren F1, já que viria com três assentos, sendo o do motorista central. A mecânica teria motor V10 8.4 do Dodge Viper. O valor estimado na época era de R$ 2 milhões.

Obvio

O Obvio! foi concebido em 2002 para ser um minicarro com mecânica Volkswagen, a ser vendido pela internet. Isso nunca aconteceu e, em 2014, o projeto foi anunciado novamente com um ajuste: o motor seria elétrico e o carro seria colocado no mercado na modalidade de compartilhamento. A ideia parecia boa e inovadora para a época, contudo, também nunca saiu do papel.

San Vito S1

A proposta era um esportivo conversível de dois lugares, que foi apresentado em 2009, porém não saiu do status de protótipo. Segundo o UOL, ele teve apenas um exemplar produzido, que pertence ao criador, Vito Simone. O San Vito S1 seria de motor 1.8 turbo a etanol, com 150 cv, acoplado ao câmbio manual de cinco marchas, com tração traseira. A carroceria seria de fibra de vidro e o chassi, tubular.

Continua depois da publicidade

Lobini H1

Surgiu com pompa no Salão do Automóvel de 2002, com o mesmo motor 1.8 turbo de 180 cv que equipava A3 e Golf GTI na época. O carro é o único dessa lista que chegou a ser vendido ao consumidor, mas o público era limitado. Para encomendar um exemplar, o cliente pagava até 70% do veículo como sinal e só então ele começava a ser produzido, sempre sob encomenda. O carro saiu de linha oficialmente em 2013 por causa da obrigatoriedade de airbags e ABS. Apenas 70 unidades foram fabricadas.

Leia mais

Carros mais “beberrões” de 2024 têm média de até 4 quilômetros por litro; veja ranking

Ranking dos carros usados mais vendidos em SC é dominado por hatches; veja modelos

Destaques do NSC Total