nsc
    dc

    Investigação 

    Suspeito de ataque ao Porta dos Fundos fugiu para Rússia 

    Conforme a Polícia Civil, o empresário Eduardo Fauzi Richard Cerquise é "uma pessoa violenta" 

    03/01/2020 - 08h57 - Atualizada em: 03/01/2020 - 09h03

    Compartilhe

    Por Folhapress
    Produtora do Porta dos Fundos no Rio de Janeiro (RJ) foi alvo de ataque em dezembro
    Produtora do Porta dos Fundos no Rio de Janeiro (RJ) foi alvo de ataque em dezembro
    (Foto: )

    Suspeito de participar do ataque à sede do Porta dos Fundos na véspera do Natal, o empresário Eduardo Fauzi Richard Cerquise fugiu para a Rússia no domingo (29). Ele pegou um voo da Air France naquela tarde e, após uma parada em Paris, desembarcou em Moscou, segundo a Polícia Civil do Rio de Janeiro. A fuga foi noticiada pela TV Globo e confirmada pela Folha de S.Paulo.

    Eduardo Fauzi
    Eduardo Fauzi
    (Foto: )

    Delegado responsável pelo caso, Marco Aurélio de Paula Ribeiro disse à reportagem que, após testemunhas que se relacionavam com ele dizerem desconhecer seu paradeiro, a investigação procurou pistas sobre uma suposta saída do país.

    Encontraram, então, o nome do suspeito na lista de passageiros do voo. Câmeras mostram ele chegando de táxi no Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, na zona norte carioca.

    Fauzi tem ficha corrida que inclui uma agressão física à ex-companheira, segundo Ribeiro.

    — Ele é uma pessoa violenta, com diversas ameaças, até lesão corporal — afirma.

    Praticante de artes marciais (sabe manipular espadas com técnica do kung-fu), o suspeito foi condenado em 2019 por socar o rosto do então secretário de Ordem Pública da Prefeitura do Rio, Alex Costa, em 2013.

    O episódio foi capturado por câmeras de TV. Na época, recebeu a simpatia de líderes dos protestos de 2013, como Sininho. Alguns chegaram a fazer greve de fome para que ele saísse da cadeia.

    Hoje ele estaria filiado a franjas da extrema-direita, sobretudo a via integralista, que defende um nacionalismo autoritário de matiz fascista.

    Agora foragido, Fauzi já morou na Rússia antes, por cinco anos, contaram pessoas próximas a ele aos investigadores — que pediram a inclusão de seu nome na lista de fugitivos da Interpol.

    O suspeito fala russo, além de inglês e espanhol, e estudou em bons colégios. Já foi sócio do pai em um posto de gasolina e hoje, de acordo com o delegado Ribeiro, lidera a Associação dos Guardadores Autônomos de Veículos São Miguel.

    Seu mandado de prisão foi expedido um dia após a viagem à Rússia. Fauzi foi identificado como um dos homens que dizia falar em nome de uma facção integralista ao jogar dois coquetéis molotov contra o edifício onde funciona a produtora, na zona sul do Rio.

    O grupo de humor virou alvo após um especial natalino que retratou Jesus como homossexual.

    "A gente apura a participação e quiçá liderança (de Fauzi)" no atentado, afirma Ribeiro, delegado titular da 10ª Delegacia de Polícia.

    A Accale, associação nacionalista à qual o empresário foi associado, publicou uma nota em suas redes sociais no último dia de 2019 para negar qualquer vinculação com o ataque.

    "Diante das últimas notícias divulgadas na imprensa, dando conta da suspeita de envolvimento de um dos participantes da Accale no ataque ao Porta dos Fundos, viemos informar o que segue. O ato não foi, de forma alguma, idealizado ou planejado pela Accale, nosso embate é no campo das ideias."

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Polícia

    Colunistas