nsc

publicidade

Feminicídio

Suspeito de esquartejar mulher e ocultar cadáver é preso em Ituporanga 

Segundo a Polícia Civil, o homem de 33 anos seria o companheiro da vítima e teria utilizado um martelo para matar a vítima

29/01/2019 - 08h01 - Atualizada em: 29/01/2019 - 14h53

Compartilhe

Redação
Por Redação Santa
Presidio Regional de Rio do Sul
Local onde o crime teria ocorrido.
(Foto: )

Um homem de 33 anos foi preso nesta segunda-feira suspeito de matar e esquartejar a companheira de 25 anos, em Ituporanga, no Alto Vale do Itajaí. A vítima foi localizada por dois trabalhadores da Barragem Sul, na última sexta-feira. Eles faziam uma vistoria na área que segura os entulhos quando avistaram o corpo e acionaram a Polícia Militar.

Apesar do avançado estado de decomposição, a mulher tinha uma tatuagem, que segundo a Polícia Civil contribuiu para que a família fizesse o reconhecimento da vítima. A jovem de 25 anos foi identificada no Instituto Geral de Perícias (IGP) como Neomar da Rosa. Ela era natural de Blumenau e estava morando há quatro meses com o companheiro em Ituporanga.

Na noite desta segunda-feira os policiais fizeram diligências com o suspeito na busca de partes do corpo da vítima, que teriam sido espalhadas por no mínimo duas cidades. O responsável pelo caso, o delegado Bruno Augusto Reis, diz que segundo a investigação o assassinato teria ocorrido no dia 20 de janeiro na casa do casal, no bairro Gabiroba.

Ainda de acordo com o delegado, o crime teria sido cometido após uma discussão na sala da residência do casal. O suspeito teria utilizado um martelo para matar a mulher. Depois, com uma faca ele teria esquartejado a vítima para tentar encobrir a morte e ocultar o cadáver.

– Em depoimento o suspeito teria confessado que a relação era conturbada. Eles teriam ido a uma festa e brigado, o suspeito voltou pra casa e a mulher ficou. Quando a jovem voltou pra casa eles voltaram a discutir e o suspeito teria atingido a vítima com três marteladas na cabeça, causando a morte da mulher – relata o delegado Bruno Augusto Reis.

Reis diz que o crime foi enquadrado como feminicídio qualificado por motivo torpe e impossibilidade de defesa da vítima, além de ocultação de cadáver. O homem foi encaminhado para o Presídio Regional de Rio do Sul.

Deixe seu comentário:

publicidade