nsc
santa

Cultura

Fotos históricas mostram como o Teatro Carlos Gomes é um símbolo de luta pela cultura em Blumenau

Em 160 anos de história, poucos acontecimentos foram capazes de calar o teatro blumenauense

24/06/2020 - 06h28 - Atualizada em: 24/06/2020 - 06h40

Compartilhe

Bianca
Por Bianca Bertoli
Teatro Carlos Gomes, em Blumenau, em 1973.
Teatro Carlos Gomes, em Blumenau, em 1973.
(Foto: )

Em 160 anos de história, poucos acontecimentos foram capazes de calar o Teatro Carlos Gomes. A última vez, no período da Segunda Guerra Mundial, a obrigatoriedade de falar português desestimulou os entusiastas que se comunicavam em alemão. Agora, mais de oito décadas depois, um inimigo invisível silencia as vozes e sons que costumam preencher os espaços do teatro na Rua XV de Novembro, no Centro da cidade. O coronavírus impossibilita as comemorações do aniversário da Sociedade Dramático Musical Carlos Gomes, mas não destrói um movimento que sobrevive e se transforma desde os tempos da colônia.

> Em site especial, saiba mais sobre a pandemia do coronavírus

Quando oficializada, em 24 de junho de 1860, a primeira sociedade do setor reunia colonos que buscavam na música e teatro momentos de diversão durante a construção da nova cidade. Eram amadores, que tinham o mais simples e sincero gosto pela arte. O primeiro teatro do município, o Frohsinn (alegria), na Rua das Palmeiras, onde atualmente fica o centro administrativo da Celesc, foi inaugurado em 1896 com a peça “Uma Ideia Maluca”, de Karl Laufs, escolhida como resposta a quem considerava loucura o sonho de possuir um local como aquele em Blumenau.

teatro-carlos-gomes-1930
Imagem da década de 1930, do primeiro teatro do município, o Frohsinn, que ficava na Rua das Palmeiras, onde atualmente funciona o centro administrativo da Celesc
(Foto: )

A sociedade musical sempre andou junto à teatral, muitas vezes ganhando mais espaço. Não à toa, quando foi preciso escolher um nome brasileiro para o novo teatro por conta da campanha de nacionalização do então presidente Getúlio Vargas, optou-se por Carlos Gomes, o maior compositor das Américas no século 19, criador da inconfundível ópera “O Guarani”. A nacionalização proibia os imigrantes de falarem o idioma de origem em público, censurava jornais e obrigava a tradução dos nomes de comércios e empresas para o português.

fachado-teatro-carlos-gomes
Estátua presta homenagem ao maestro, em frente ao teatro
(Foto: )

Foi em meio a esse contexto que Blumenau entregaria parte do novo teatro, em 1939. À época, apenas a área externa, salão de festas e restaurante estavam prontos. Aos poucos, foi aumentando enquanto crescia como símbolo da cultura blumenauense. Foi palco da orquestra e o coro sob regência do maestro Heinz Geyer e tempos depois tornou-se também escola. Aí, unem-se as três frentes conhecidas até hoje: a dança, o teatro e a música.

Confira fotos antigas do Teatro Carlos Gomes

teatro-carlos-gomes-1941
Imagem do Teatro Carlos Gomes em 1941
(Foto: )

teatro-carlos-gomes-1956
Imagem do Teatro Carlos Gomes em 1956
(Foto: )

teatro-carlos-gomes-1973
Foto do Teatro Carlos Gomes em 1973
(Foto: )

teatro-carlos-gomes-1994
Foto do Teatro Carlos Gomes em 1994
(Foto: )

teatro-carlos-gomes-2000
Foto do Teatro Carlos Gomes em 2000
(Foto: )

projeto-ampliacao-teatro-carlos-gomes-2007
Imagem do projeto de reforma e ampliação do Teatro Carlos Gomes, apresentado à comunidade em 2007
(Foto: )

Colunistas