nsc
an

História

'Tião Cabeleireiros' completa 45 anos de história em Joinville

Empresa foi fundada nos anos 70 pelo criciumense Sebastião Machado

25/04/2015 - 09h02 - Atualizada em: 30/04/2015 - 11h26

Compartilhe

Por Redação NSC
Unidade mais antiga funciona no shopping Mueller desde a sua inauguração, há 20 anos
Unidade mais antiga funciona no shopping Mueller desde a sua inauguração, há 20 anos
(Foto: )

Quando os cuidados com os cabelos não iam além de um simples corte e o inesquecível permanente, o cabeleireiro Sebastião Machado, 68 anos, já dava o que falar entre o público feminino. Na década de 1970, o catarinense de Criciúma chegava a Joinville trazendo um espírito de renovação, pensamento que se mantém até hoje, após 45 anos de muitas cabeças feitas na cidade.

Quem lembra do primeiro endereço do cabeleireiro, na rua 15 de Novembro, talvez não tenha se dado conta dos tabus quebrados atrás do letreiro "Tião Cabeleireiros". As letras miúdas "u-n-i-s-s-e-x" não eram tão bem recebidas naquele era dos cabeludos e da disco music. Mulher frequentava institutos de beleza, enquanto os homens ficavam restritos às barbearias.

- As pessoas estranhavam no começo e os maridos diziam não iriam levar as mulheres para o mesmo ambiente. Depois foram se acostumando - lembra Tião.

A habilidade para cortar cabelos tanto de homens quanto de mulheres chegou ao acaso em Joinville. Tião, um dos oito filhos a seguir a carreira do pai, queria mesmo era tentar a vida em Foz do Iguaçu, no Paraná, quando deixou Criciúma aos 24 anos. Só não contava se encantar com a arborização da tal Manchester Catarinense no meio do caminho.

O ofício que Tião tão bem desempenha desde os 12 anos é seu ganha pão até hoje. Em quatro décadas e meia de atuação em Joinville, o catarinense passou por inúmeras tendências capilares sem ficar para trás. Prova disso é que ainda é disputado por avós, pais e filhos nos três salões de beleza que administrada atualmente.

- Nestes 45 anos, eu nunca deixei de aprender e ensinar. Orgulho-me de por Joinville ter tantos cabeleireiros bons - diz Tião.

A unidade mais antiga do Tião Cabeleireiros funciona no shopping Mueller desde a sua inauguração, há 20 anos. É lá que ele também fica a maior parte do tempo, seja dominando as tesouras, fiscalizando o atendimento dos funcionários ou tocando harpa. Sim, Sebastião tem em sua sala um modelo paraguaio e arrisca canções típicas entre um cliente e outro.

Um violão também divide espaço com os móveis do salão. Entre os xodós também está uma cadeira que o proprietário trouxe da Europa em sua primeira viagem em busca de aprimoramento, em 1978. O modelo eletrônico está entre as relíquias de Tião, junto com uma infinidade de tesouras, amoladores e escovas.

- Um cabelo bem feito vale mais do que uma boa roupa, é capaz de mudar o astral. Por isso me considero um médico da beleza.

Colunistas