nsc
dc

Notícia

Tudo o que você sempre quis saber sobre a gravidez

Cartilha com respostas a dúvidas de gestantes está disponível gratuitamente na web

08/02/2010 - 07h24 - Atualizada em: 25/03/2014 - 12h52

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

Mães de primeira viagem e até aquelas que já passaram por uma gestação costumam se sentir inseguras, e nem sempre o médico tem tempo para esclarecer os questionamentos sobre todas as etapas da gravidez.

Essa afirmação, que antes era uma desconfiança, agora virou certeza para a enfermeira obstetra Luciana Magnoni Reberte, da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP). A partir de uma pesquisa patrocinada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), ela constatou que, da fase pré-natal ao puerpério, as mulheres recebem pouca orientação sobre as mudanças que vão acontecer na vida delas.

As dúvidas das gestantes estimularam Luciana a escrever uma cartilha, vencedora do Prêmio de Incentivo em Ciência e Tecnologia para o Sistema Único de Saúde, promovido pelo Ministério da Saúde e disponível gratuitamente pela internet. A cartilha foi elaborada com a ajuda das próprias grávidas. Luciana montou um grupo formado por oito gestantes e quatro futuros pais no Hospital Universitário da USP.

Em nove sessões, surgiram diversos questionamentos: desde perguntas sobre alimentação a preocupações com a saúde do bebê. Depois de fazer uma pesquisa em São Paulo, a enfermeira obstetra constatou que não havia nenhuma publicação gratuita totalmente voltada para o esclarecimento de questões práticas. Na segunda fase da pesquisa, ela construiu o texto, que foi aprovado por profissionais da área da saúde e por um grupo de outras nove gestantes.

- Vi que as mulheres chegavam até a fase da amamentação sem ter tido nenhuma informação prévia sobre isso. Nem todas as gestantes têm acesso a informações e possuem alta escolaridade. Mas mesmo as que têm costumam ficar cheias de dúvidas - diz Luciana.

Ela afirma que, no geral, as consultas com o obstetra são muito rápidas, e o profissional tende a se concentrar em aspectos mais técnicos, como auferir a pressão da grávida, verificar o colo uterino e auscultar o coração do bebê.

- A gestante acaba não tendo abertura para fazer perguntas e, às vezes, o médico acha que ela já sabe tudo - conta.

A cartilha de Luciana é a prova de que muitos profissionais desconhecem o grau de informação de seus pacientes. As mulheres que participaram da pesquisa não sabiam, por exemplo, se o pai poderia acompanhar o parto. Outra dúvida foi com relação ao corpo. Uma das gestantes queria saber se a barriga nunca mais voltaria ao normal e também perguntou em quanto tempo poderia voltar a praticar exercícios físicos.

Para a psicóloga Fátima Franco, coordenadora da Clínica Florescer, que oferece cursos para gestantes, a falta de esclarecimento pode comprometer a saúde da mulher e do bebê.

- Com o medo e a ansiedade, a pressão sobe, a glicose desregula e há ameaça de parto prematuro. Todas essas questões são psicossomáticas - afirma Fátima.

Segundo ela, o primeiro e o último trimestre são os que mais trazem dúvidas e medos às mulheres.

- As grávidas têm receio de contar para as amigas e sofrerem um aborto espontâneo. Também é preciso falar sobre as mudanças, como o ganho de peso e a falta de desejo sexual - enumera Fátima.

Quando o parto se aproxima, elas temem a dor e pela saúde do bebê.

- Preparação com exercícios, massagens e respiração correta levam a grávida a ter maior consciência do processo do parto. Dessa forma, o momento do nascimento do filho fica mais rápido e menos doloroso.

Colunistas