“A guerra começou”. Foi com essa notícia que a ucraniana Yulia Taranushenko, 29, foi acordada pelo seu namorado na manhã desta quinta-feira (24). A empresária ucraniana relatou os momentos de terror e incerteza que sua família, que vive na Ucrânia enfrenta, e como está a situação no país. 

Continua depois da publicidade

> Compartilhe essa notícia no WhatsApp

Yulia é empresária e mora em Kiev, capital do país, mas atualmente está na Turquia a trabalho. Ela conta que acordou com uma ligação de seu namorado logo após os bombardeios começarem, às 5h na Ucrânia (meia-noite no horário local de Brasília). 

— Ele ligou e falou: “A guerra começou”. Eu fiquei em choque e perguntei de novo: “O que?”. Ele repetiu: “A guerra começou”. Então liguei para os meus pais e eles disseram que isso era falso, mas quando eles ligaram a TV perceberam que era verdade — relata. 

Anatoliy, 52, e Anna Taranushenko, 50, moram atualmente em Chernobay, uma das cidades que ficou imune aos ataques durante a madrugada (veja indicação no mapa abaixo). Yulia conta que assim que eles souberam o que estava acontecendo no restante da Ucrânia prepararam um abrigo improvisado na casa deles, em um ambiente no subsolo onde costumam guardar alimentos. 

Continua depois da publicidade

Mapa mostra cidades que foram bombardeadas na Ucrânia. Pais de Yulia moram em Chernobay.
Mapa mostra cidades que foram bombardeadas na Ucrânia. Pais de Yulia moram em Chernobay. (Foto: Reprodução, redes sociais)

> Fotos e vídeos mostram cenário de guerra e desespero na Ucrânia após ataque da Rússia

Outros familiares de Yulia, que moram em Vasilkov, cidade próxima a Kiev que foi bombardeada. Eles relataram que ouviram os ataques e as janelas de casa tremeram. Imediatamente correram para abrigos anti-bomba que existem na cidade. 

— Eu senti uma dor no coração. Não consigo comer, não consigo nem falar sobre isso. Imagine, em um dia você está vivendo sua vida normalmente, trabalhando, saindo com os amigos, e no outro, você acorda e os prédios estão explodindo ao seu redor. Estou muito preocupada com meus pais que estão lá. Agora nem consigo mais falar com eles, porque estão sem conexão de celular — descreve Yulia.  

Yulia Taranushenko, 29, mora em Kiev, capital da Ucrânia
Yulia Taranushenko, 29, mora em Kiev, capital da Ucrânia (Foto: Arquivo Pessoal)
Yulia estava viajando a trabalho quando a Ucrânia foi bombardeada
Yulia estava viajando a trabalho quando a Ucrânia foi bombardeada (Foto: Arquivo Pessoal)

Ucrânia declara lei marcial  

Após os ataques dos russos, o presidente da Ucrânia declarou a Lei Marcial no país, que substitui autoridades e leis de uma nação por leis militares. Os homens acima de 18 anos foram convocados pelo exército, voos foram cancelados e conexões de celulares interrompidas. Yulia diz que o país realmente vive uma situação de guerra e ela não tem como voltar para casa agora. 

Continua depois da publicidade

A ucraniana ainda explica que, pela sua experiência, a relação entre russos e ucranianos sempre foi pacífica e todos estão em choque com a situação. 

— Ninguém queria guerra. Na Ucrânia moram pessoas diferentes — ucranianos, russos, poloneses, etc — e todas as pessoas antes desta situação tinham vidas simples e normais. Eu vi relatos na internet que russos na Ucrânia sofrem preconceito, porque falam russo e amam a Rússia. Mas isso é falso. Ucranianos são as pessoas mais amigáveis e pacíficas no mundo — desabafa.  

> Terceira Guerra Mundial vai acontecer? Entenda

Conflito entre Rússia e Ucrânia

O conflito entre Rússia e Ucrânia recupera disputas ocorridas em 2014, quando o território da Crimeia, península ucraniana, foi incorporado à Rússia, sob o pretexto de que estava defendendo seus interesses e os dos cidadãos de língua russa. 

Há muito tempo que a Rússia resiste aos movimentos da Ucrânia de aproximação com instituições europeias, tanto a Otan como a União Europeia. A principal demanda de Moscou agora é para que o Ocidente garanta que a Ucrânia não se tornará membro da Otan, uma aliança militar que reúne 30 países.

Continua depois da publicidade

Após o presidente russo, Vladimir Putin, reconhecer independência das regiões separatistas da Ucrânia, Donetsk e Luhansk, o conflito se intensificou, já que a Rússia colocou sua tropas militares dentro do territótio ucraniano. Depois de várias ameaças, na manhã desta quinta-feira (24), a Rússia começou a bombardear a Ucrânia. 

Leia também

“Quem tentar interferir, a resposta será imediata”, ameaça Putin

Embaixada do Brasil pede atenção aos brasileiros que estão na Ucrânia

Bolsonaro chega de máscara à Rússia e encara “bolha da Covid” exigida por Putin

Destaques do NSC Total