nsc
santa

Um ano no caos

Um ano após denúncia de precariedade do Presídio Regional de Blumenau, superlotação só piorou condições de detentos

Departamento de Administração Prisional diz que superlotação não é exclusividade de Blumenau

10/05/2014 - 05h21 - Atualizada em: 10/05/2014 - 05h27

Compartilhe

Por Redação NSC
Para vestir o uniforme que permite a entrada no presídio, parentes chegam a trocar de roupa na rua pois não há sala para isso na unidade
Para vestir o uniforme que permite a entrada no presídio, parentes chegam a trocar de roupa na rua pois não há sala para isso na unidade
(Foto: )

Vestidas de branco e com chinelos de dedos elas saem em fila do Presídio Regional de Blumenau. É meio-dia. Em uma mão, a esposa de um detento carrega uma sacola plástica e na outra um dos filhos de aproximadamente cinco anos que acabou de visitar o pai. Atrás de uma caçamba de entulho as mulheres trocam de roupa. É a única maneira que encontram para tirar o uniforme de visita - exigência para entrar no presídio - e pegar o ônibus de volta para casa. Atrás do lixo entulhado, compartilham angústias.

- Era necessário um guarda-volumes e um banheiro para quem vem aqui. Sem falar do tratamento que recebemos - lamenta uma idosa, que quarta-feira visitou o neto de 21 anos preso há 14 meses.

As cenas do lado de fora da unidade incomodam. E são apenas um sinal de que atrás das grades a situação é ainda mais complexa.

- Não há condições. Eles não têm nem papel higiênico - emenda a mulher.

Considerada pela Justiça e pelo próprio Estado a pior unidade de Santa Catarina, o Presídio Regional de Blumenau vive uma realidade mais crítica do que no ano passado, quando recebeu a Força Nacional de Defensores Públicos. Um mês depois da visita, o Santa publicou fotos, vídeos e relatos da equipe que esteve no local. Na época havia 882 presos e uma série de falhas de infraestrutura e falta de higiene. Em uma das alas, não havia vaso sanitário e os presos usavam um cano para as necessidades fisiológicas. Em outro ponto uma tubulação cano de esgoto jorrava fezes e urina.

Ao invés de reduzir, o problema aumentou: sexta-feira havia 1.113 detentos, entre condenados e provisórios, e a construção do Complexo Penitenciário, apontado com solução para Blumenau, pouco caminhou. O que há até agora é apenas a definição do terreno que abrigará a nova estrutura. A maior ajuda que a unidade recebe, segundo o chefe de segurança do presídio, Rangel Luiz Bavaresco, vem do município, que disponibiliza servidores na área administrativa e de saúde. O Estado pouco fez.

Por meio de assessoria de imprensa, o Departamento de Administração Prisional (Deap) informou que o excesso de presos não é exclusividade do Presídio Regional de Blumenau e que "estratégias para conter a superlotação ou situações de anormalidade são coordenadas e monitoradas por uma equipe especializada e não são divulgadas por segurança". A maior dificuldade, além da estrutura precária, é a falta de agentes penitenciários. São 37 no total, cinco em cada plantão.

- Fazemos milagres pelas condições que temos aqui. Não dá para abandonar uma estrutura só porque tem outra em vista - argumenta Bavaresco.

Segundo ele, durante o verão a unidade ficou 15 dias sem água. Com um calor de mais de 40º C, a única saída foi chamar caminhões-pipa para manter o abastecimento. Em situações como essa, foi necessário explicar a situação e acalmar os ânimos para impedir uma revolta. Para o defensor público de Blumenau, Marcelo Scherer da Silva, mesmo após o envio do relatório da Defensoria Pública ao governo do Estado, o presídio permanece sem as mínimas condições:

- Teria de fazer outro projeto e fechar tudo. Em todas as celas há superlotação e falta higiene.

A coordenadora da Força Nacional de Defensores Públicos no Presídio Regional de Blumenau, Letícia Amorim, ressalta:

- Para mudar é necessário um trabalho em conjunto. Tem de haver conscientização do Judiciário, do Ministério Público e do Estado.

Assista ao vídeo que revela o cenário da pior unidade prisional de Santa Catarina, o Presídio Regional de Blumenau

Colunistas