nsc
nsc

Não acabou ainda

União da Ilha da Magia vai tentar reverter rebaixamento na Justiça comum

Depois de ser derrotada no processo administrativo, escola de samba de Florianópolis entra com ação para tentar permanecer na Divisão Especial

19/07/2016 - 12h15

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

A União da Ilha da Magia foi oficialmente rebaixada do Grupo Especial do Carnaval de Florianópolis. A escola da Lagoa da Conceição havia sido penalizada em cinco pontos no desfile de 2016 por falta de componentes. O recurso foi rejeitado na noite de segunda-feira em assembleia da Liga das Escolas de Samba de Florianópolis (Liesf), por 35 votos contra 8.

Com o resultado, se esgotaram as instâncias administrativas para tentar reverter o resultado dentro da Liesf. Agora, a agremiação vai tentar contornar a situação na Justiça comum.

— Pelo estatuto, tivemos que recorrer pra essa assembleia. Mostramos através de planilhas e depoimentos que a União entrou com mais de 1.500 pessoas, cerca de 1.700. Mas é um fórum que já tinha uma decisão e nenhum argumento seria aceito. Fomos porque o estatuto previa que teríamos que passar por eles — critica o presidente da UIM, Valmir Braz de Sousa, o Nena, que teve 15 minutos para expor a sua defesa.

Liesf divulga calendário oficial do Carnaval 2017 de Florianópolis

— A UIM contratou um advogado e vai entrar com ação judicial pra discutir isso na Justiça comum, já que na instância administrativa não deu — complementa.

Componentes a menos

Se não tivesse sido rebaixada, a União da Ilha da Magia seria a vice-campeã do Carnaval 2016 em Florianópolis.A vencedora foi a Coloninha. Na época, a escola afirmava que houve erro na contagem dos componentes por parte da Liesf. Eles disseram ter entrado com 1.700 integrantes, contra 1.452 contados pela liga. A contagem é feita por uma empresa especializada.

Relembre: Veja como foi o desfile das escolas de samba do Grupo Especial de Florianópolis

Colunistas