nsc
    dc

    Medicamento

    Vendas de ivermectina em junho de 2020 superam as feitas no ano passado inteiro

    Mercado farmacêutico vendeu cerca de 8,6 milhões de caixas de ivermectina em um mês

    31/07/2020 - 10h33

    Compartilhe

    Por Folhapress
    Ivermectina
    Sem eficácia comprovada contra a Covid-19, a ivermectina é um vermífugo que vem sendo distribuído por prefeituras e planos de saúde
    (Foto: )

    Só no mês de junho, o mercado farmacêutico vendeu cerca de 8,6 milhões de caixas de ivermectina. Isso representa uma variação percentual de 1222% se comparado às 650 mil vendidas no mesmo mês de 2019.

    > Ivermectina: o que dizem defensores e críticos do uso contra o coronavírus

    O volume de junho de 2020 é maior que as vendas somadas de todo ano de 2019, de cerca de 8,2 milhões de caixas. Em 2020, o total já ultrapassou 16,8 milhões.

    Os dados são da consultoria especializada em saúde IQVIA, em levantamento disponibilizado pelo Sindusfarma (Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos) e pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF).

    Entre os meses de 2020 a maior variação ocorreu de março a abril -de 820 mil caixas para dois milhões, aumento de 149%-, mas continuou subindo nos meses seguintes: 82% de abril a maio, e 132% de maio a junho.

    Sem eficácia comprovada contra a Covid-19, a ivermectina é um vermífugo que vem sendo distribuído por prefeituras e planos de saúde, e é consumido pela população de forma preventiva ou como suposto tratamento para eventuais sintomas.

    Pacientes se mostram confusos sobre a necessidade de tomar o medicamento. A advogada Márcia Faelli, 59, foi ao cardiologista para um exame de rotina com a filha no final de abril e voltou com receita para ivermectina contra a Covid-19.

    > Projeto da UFSC busca criar medicamento contra coronavírus a partir de plantas comestíveis

    Inicialmente, o médico recomendou a posologia contida na bula, mas num exame de retorno, um mês depois, mudou a dose para um comprimido por semana ao longo de sete semanas.

    Nesse momento, Faelli não encontrou o medicamento em farmácias de Campinas (SP), onde mora, e desistiu de tomar o remédio.

    — Conversei com meu filho, que discordava de tomarmos o medicamento, li artigos. A dose única nós temos o costume de tomar todo ano, mas a ideia de tomar um por semana me deixou meio ressabiada — diz.

    Em isolamento, ela diz que não mudou de comportamento quando tomou o vermífugo.

    Uma amiga, em áudio pelo WhatsApp, contou que foi ao médico que a tratou de um câncer e escutou que não precisava ter tomado a ivermectina de forma preventiva.

    > É falso que hospitais de SC recebem R$ 18 mil por cada morte registrada como Covid-19

    — De forma preventiva não é mais para eu tomar. Então não sei, cada um fala uma coisa, a gente não sabe o que fazer, né? Eu vou seguir ele, porque é meu médico, não vou tomar mais — completa.

    — Não sei porque estão receitando, não há qualquer evidência científica de que seja eficaz — afirma Sandra Farsky, vice-presidente da ABCF (Associação Brasileira de Ciências Farmacêuticas).

    Nos cinco primeiros meses de 2020, a prescrição médica da ivermectina aumentou 1.921% em comparação com o mesmo período de 2019, segundo levantamento do CFF.

    O presidente do Conselho, Walter da Silva Jorge João, avalia como positiva a resolução da Anvisa publicada no dia 23 de julho aumentando o controle sobre a compra do medicamento.

    > Secretário de Saúde de Brusque sugere a médicos em dúvida sobre cloroquina que “peçam para sair”

    — Essa busca por remédios [contra a Covid-19] é uma demonstração clara de como o medo está influenciando ainda mais o hábito que já existia na população brasileira de se automedicar — diz Silva.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas