nsc
    an

    Investigação

    Vice-prefeito de São Bento do Sul é preso suspeito de exigir parte de salário de comissionados 

    Conforme Polícia Civil, a investigação iniciou há cerca de quatro meses para apurar o crime de concussão

    02/07/2019 - 08h31 - Atualizada em: 02/07/2019 - 10h30

    Compartilhe

    Gabriela
    Por Gabriela Florêncio

    O vice-prefeito de São Bento do Sul, Márcio Dreveck, foi preso, na tarde desta segunda-feira (2), suspeito de exigir parte dos salários de funcionários comissionados indicados por ele. De acordo com o delegado Gustavo Muniz, da Divisão de Investigação Criminal (DIC) e responsável pelo inquérito policial, a investigação iniciou há cerca de quatro meses após uma denúncia anônima, para apurar o crime de concussão.

    Depois da denúncia, a Polícia Civil começou a monitorar os servidores. O delito de concussão, previsto no artigo 316 do Código Penal, determina pena de reclusão de dois a oito anos, e multa, para crimes praticados por funcionário público em que ele exige vantagem indevida para si ou para outras pessoas usando o cargo que ocupa.

    — A investigação apontou que a propina era cobrada de vários servidores comissionados, que tinham indicação do vice-prefeito. Esses servidores precisavam fazer a meação, se o salário fosse mais alto, ou até em cotas menores de contribuição – explica o delegado.

    A defesa do vice-prefeito foi procurada pela reportagem, mas até às 11 horas não havia atendido ao contato.

    De acordo com o procurador da Prefeitura de São Bento do Sul, Jeancarlo Gross, o município recebeu a notícia da prisão do vice-prefeito pela imprensa e, até a manhã desta terça-feira (2), ainda não teve acesso as informações oficiais da investigação.

    — Esperamos ter contato com a Polícia Civil, com acesso a investigação, para que possamos deflagrar os procedimentos internos, queremos atuar com a maior transparência possível — explica Gross.

    Depois que a prefeitura tiver acesso ao inquérito, segundo o procurador, irá dar continuidade aos procedimentos internos de investigação para apurar os fatos e verificar se houve o ato de improbidade administrativa. Ainda de acordo com Gross, a decisão de afastar ou não o vice-prefeito só ira ser tomada após o acesso do município a investigação.

    Vice-prefeito teria exigido pagamentos após indicação

    As investigações apontaram que Dreveck indicava os comissionados e já exigia os pagamentos em troca assim que eles recebessem os salários. Segundo Muniz, não há indícios, até o momento, da participação do prefeito da cidade ou de que ele sabia do suposto esquema.

    — Os servidores envolvidos tinham conhecimento, mas como isso é uma prática até que frequente em outras cidades, os servidores que não tinham envolvimento também acabavam sabendo — menciona o delegado.

    Ainda de acordo com Muniz, a prisão aconteceu durante a entrega de um destes pagamentos, na tarde desta segunda, que era monitorada pela polícia. Um mandado de busca e apreensão foi cumprido na casa de Dreveck e outro no gabinete, onde foi encontrada a quantia de R$ 1,7 mil. Com a apreensão do valor, o delegado representou pela prisão preventiva dele.

    Conforme o delegado, o dinheiro encontrado no gabinete seria o pagamento de um dos servidores comissionados, indicado ao cargo pelo vice-prefeito. Durante o cumprimento do mandado, a DIC ainda apreendeu documentos. Ao longo desta semana, a Polícia Civil deve ouvir testemunhas e servidores da prefeitura de São Bento para corroborar com as investigações.

    Ainda segundo Muniz, não está descartada a prática de outros crimes de administração pública, e também a participação de outras pessoas no suposto esquema. O vice-prefeito foi encaminhado para o Presídio Regional de Mafra.

    Veja nota da prefeitura na íntegra:

    A Prefeitura Municipal de São Bento do Sul vem a público para informar que está acompanhando atentamente o desenrolar dos fatos que envolvem a apuração de supostos atos praticados pelo Vice-Prefeito da cidade.

    O Poder Público Municipal informa que o Vice-Prefeito não ocupava nenhum outro cargo na Prefeitura e sua função baseava-se apenas em eventualmente substituir o Prefeito nos casos de férias ou afastamentos.

    A Administração Municipal não tolerará condutas que, se comprovadas, comprometam a atuação ética, a dignidade da função pública e o compromisso da gestão em promover um trabalho de qualidade e pautado na eficiência, transparência e zelo com as pessoas e com o dinheiro público.

    Os casos pontuais devem ser analisados de forma isolada e certamente serão punidos com rigor. A investigação vem sendo integralmente conduzida pelas autoridades competentes, a quem pertence a função de emitir juízo de culpabilidade ou não, após o devido processo legal, de modo que a Prefeitura, por meio de seus agentes políticos e servidores, colaborarão no que for preciso para combater eventuais transgressões apontadas.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Polícia

    Colunistas