Moradores de vários bairros de Gramado, no Rio Grande do Sul, tiveram que deixar suas residências após o surgimento de rachaduras no solo. O Estado vizinho vem sofrendo nos últimos dias com fortes chuvas. As informações são do g1.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Todos os moradores do bairro Três Pinheiros foram desalojados, de acordo com a prefeitura e a Defesa Civil do município, e 31 pessoas estão em um abrigo montado no ginásio da Escola Senador Salgado Filho. O restante foi para casas de familiares e conhecidos.

— A calçada começou a ceder, as (casas) dos vizinhos dos lados começaram a rachar e também a casa de trás de onde a gente mora — relatou ao portal a pintora Elidiana de Campos.

Um prédio no bairro Planalto, em cima de um morro, está condenado e pode cair a qualquer momento. Devido à instabilidade do solo, segundo as autoridades, não é possível fazer a implosão da edificação sem correr o risco de causar danos maiores. Imagens feitas por moradores e divulgadas nas redes sociais mostram os estragos.

Continua depois da publicidade

Algumas residências que ficam nos bairros Piratini, Planalto e Linha Caboclo também foram interditadas. A Defesa Civil de Gramado, técnicos contratados pela prefeitura e geólogos seguem acompanhando a situação dos riscos. Um relatório será elaborado nos próximos dias.

No sábado (18), duas mulheres morreram após uma residência ser soterrada na localidade de Linha Marcondes Baixa, também em Gramado. As vítimas foram identificadas como Elisabeta Maria Benisch Ponath, de 51 anos, e a mãe dela, Lidowina Lehnen, de 86 anos.

Leia também

Perícia aponta “falha clara” em reservatório da Casan no Monte Cristo, em Florianópolis

Devastada por enchente, Trombudo Central adota toque de recolher para evitar furtos

Destaques do NSC Total