Um grupo com pelo menos 12 capivaras decidiu dar as caras pela imediações da Avenida Madre Bevenuta, no bairro Santa Mônica, em Florianópolis. Os animais chamaram a atenção das pessoas que passavam pela região na tarde deste domingo (4).

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

Vídeos compartilhados nas redes sociais mostram as capivaras de vários tamanhos. Perto delas, pessoas fotografavam e paravam para observar. Os carros que transitavam na avenida reduziram a velocidade ao passar perto do grupo.

De acordo com o Instituto do Meio Ambiente (IMA), as aparições de capivaras têm se tornado comuns nos últimos anos nas imediações do shopping Villa Romana, que fica próximo do Parque do Manguezal do Itacorubi. O habitat da espécie são rios, lagos e várzeas, pois os locais próximos de cursos d’água são usados para a reprodução, alimentação e também servem como esconderijo para as capivaras se protegerem de predadores naturais.


Aparições frequentes

Há vários motivos por trás das aparições mais frequentes das capivaras. A urbanização é um deles, segundo o IMA: “A expansão das áreas urbanas e o crescimento desordenado muitas vezes provocam alterações significativas no habitat natural, e com isso, animais silvestres como capivaras podem ser mais avistadas nas cidades”, diz nota enviada ao NSC Total.

Continua depois da publicidade

Os animais também têm preferência pela primavera e pelo verão, tradicionalmente. “É quando há maior incidência de chuva e do calor, período de fartura de alimento para a maioria das espécies de animais, consequentemente, há maior crescimento, floração e frutificação das plantas, favorecendo também a reprodução e circulação maior de animais silvestres”, completa a nota.

A instituição alerta que a aproximação com as capivaras pode trazer riscos para as pessoas.

— O animal que se sentir ameaçado com qualquer aproximação de humanos pode tentar se defender reagindo agressivamente, com mordidas, principalmente, se houver filhotes por perto. Assim, a população não deve manusear esses animais, pois trata-se de uma demanda que deve ser feita pelo serviço público — explica a gerente de Biodiversidade e Florestas do Instituto do IMA e bióloga, Ana Verônica Cimardi.

Leia também

SC tem 3 destinos entre os mais buscados por estrangeiros para o Carnaval no Brasil

VÍDEO: Homem é resgatado de helicóptero após ficar três dias desaparecido e sem comer em SC

FOTOS: Conheça os principais mirantes com vistas panorâmicas de Florianópolis

Destaques do NSC Total