nsc
    hora_de_sc

    Passarela

    Viradouro é a grande campeã do Carnaval 2020 do Rio de Janeiro  

    Escola de samba vence o desfile do Grupo Especial pela segunda vez   

    26/02/2020 - 17h15 - Atualizada em: 26/02/2020 - 18h37

    Compartilhe

    Por Carolina Marasco
    Viradouro
    Viradouro foi a primeira a desfilar na Sapucaí
    (Foto: )

    A Viradouro é a grande campeã do Carnaval do Rio de Janeiro. Com o enredo "Viradouro de Alma Lavada", a escola de samba de Niterói se consagrou a vencedora do desfile do Grupo Especial pela segunda vez na história.

    A Viradouro foi a primeira a desfilar na Sapucaí, com um enredo em homenagem à quinta geração de lavadoras de roupa na Lagoa do Abaeté. A escola chamou a atenção desde a comissão de frente, em que a atleta da seleção brasileira de nado sincronizado Anna Giulia virava sereia e dava mergulhos de até um minuto em um aquário com 7 mil litros de água mineral.

    A Viradouro havia sido campeã pela primeira vez em 1997. A decisão saiu no último quesito, a harmonia. Viradouro, Grande Rio e Beija-Flor haviam chegado empatadas até ali. A Grande Rio ficou em segundo, a Mocidade pulou para terceiro e a Beija-Flor acabou em quarto lugar.

    Mudança nas regras

    Neste ano, o título do Carnaval carioca foi disputado por 13 escolas de samba. A apuração começou por volta das 16h15, quando dirigentes de todas as agremiações estavam concentrados na Marquês de Sapucaí para a abertura dos envelopes.

    Em 2020, a apuração do Grupo Especial do Carnaval do Rio de Janeiro contou com novidades. No ano passado, cada quesito era avaliado por quatro jurados e a menor nota era descarada.

    Neste desfile, cinco jurados foram responsáveis por conceder nota nas nove categorias, sendo a maior e a menor nota desprezadas. Após reunião da Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro, ficou estabelecido que o primeiro critério de desempate seria o de harmonia, e o segundo, o de evolução.

    Veja fotos do desfile da Viradouro, campeã do Carnaval carioca

    Escola de Niterói foi a primeira a desfilar
    Escola de Niterói foi a primeira a desfilar
    (Foto: )
    Desfile Viradouro
    "Ora yê yê ô oxum! Seu dourado tem axé Faz o seu quilombo no Abaeté"
    (Foto: )
    Viradouro
    (Foto: )
    Viradouro
    (Foto: )
    Viradouro
    (Foto: )

    Classificação final

    1º Viradouro 269,6

    2º Grande Rio 269,6

    3º Mocidade 296,4

    4º Beija-Flor 269,4

    5º Salgueiro 269

    6º Mangueira 268,9

    7º Portela 268,8

    8º Vila Isabel 268,6

    9º Tijuca 267.6

    10º São Clemente 267

    11º Tuiuti 266,2

    12º Estácio 264,7 (rebaixada)

    13º União da Ilha 264,2 (rebaixada)

    Confira a letra do samba da Viradouro

    Ó, mãe! Ensaboa, mãe!

    Ensaboa, pra depois quarar

    Ó, mãe! Ensaboa, mãe!

    Ensaboa, pra depois quarar

    Ora yê yê ô oxum! Seu dourado tem axé

    Faz o seu quilombo no Abaeté

    Quem lava a alma dessa gente veste ouro

    É Viradouro! É Viradouro!

    Ora yê yê ô oxum! Seu dourado tem axé

    Faz o seu quilombo no Abaeté

    Quem lava a alma dessa gente veste ouro

    É Viradouro! É Viradouro!

    Levanta, preta, que o Sol tá na janela

    Leva a gamela pro xaréu do pescador

    A alforria se conquista com o ganho

    E o balaio é do tamanho do suor do seu amor

    Mainha, esses velhos areais

    Onde nossas ancestrais acordavam as manhãs

    Pra luta sentem cheiro de angelim

    E a doçura do quindim

    Da bica de Itapuã

    Camará ganhou a cidade

    O erê herdou liberdade

    Canto das Marias, baixa do dendê

    Chama a freguesia pro batuquejê

    Camará ganhou a cidade

    O erê herdou liberdade

    Canto das Marias, baixa do dendê

    Chama a freguesia pro batuquejê

    São elas, dos anjos e das marés

    Crioulas do balangandã, ô iaiá

    Ciranda de roda, na beira do mar

    Ganhadeira que benze, vai pro terreiro sambar

    Nas escadas da fé

    É a voz da mulher!

    Xangô ilumina a caminhada

    A falange está formada

    Um coral cheio de amor

    Kaô, o axé vem da Bahia

    Nessa negra cantoria

    Que Maria ensinou

    Ó, mãe! Ensaboa, mãe!

    Ensaboa, pra depois quarar

    Ó, mãe! Ensaboa, mãe!

    Ensaboa, pra depois quarar

    Ora yê yê ô oxum! Seu dourado tem axé

    Faz o seu quilombo no Abaeté

    Quem lava a alma dessa gente veste ouro

    É Viradouro! É Viradouro!

    Ora yê yê ô oxum! Seu dourado tem axé

    Faz o seu quilombo no Abaeté

    Quem lava a alma dessa gente veste ouro

    É Viradouro! É Viradouro!

    Levanta, preta, que o Sol tá na janela

    Leva a gamela pro xaréu do pescador

    A alforria se conquista com o ganho

    E o balaio é do tamanho do suor do seu amor

    Mainha, esses velhos areais

    Onde nossas ancestrais acordavam as manhãs

    Pra luta sentem cheiro de angelim

    E a doçura do quindim

    Da bica de Itapuã

    Camará ganhou a cidade

    O erê herdou liberdade

    Canto das Marias, baixa do dendê

    Chama a freguesia pro batuquejê

    Camará ganhou a cidade

    O erê herdou liberdade

    Canto das Marias, baixa do dendê

    Chama a freguesia pro batuquejê

    São elas, dos anjos e das marés

    Crioulas do balangandã, ô iaiá

    Ciranda de roda, na beira do mar

    Ganhadeira que benze, vai pro terreiro sambar

    Nas escadas da fé

    É a voz da mulher!

    Xangô ilumina a caminhada

    A falange está formada

    Um coral cheio de amor

    Kaô, o axé vem da Bahia

    Nessa negra cantoria

    Que Maria ensinou

    Ó, mãe! Ensaboa, mãe!

    Ensaboa, pra depois quarar

    Ó, mãe! Ensaboa, mãe!

    Ensaboa, pra depois quarar

    Ora yê yê ô oxum! Seu dourado tem axé

    Faz o seu quilombo no Abaeté

    Quem lava a alma dessa gente veste ouro

    É Viradouro! É Viradouro!

    Ora yê yê ô oxum! Seu dourado tem axé

    Faz o seu quilombo no Abaeté

    Quem lava a alma dessa gente veste ouro

    É Viradouro! É Viradouro!

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Entretenimento

    Colunistas