nsc
nsc

Análise

As lições da crise na Polícia Civil de Santa Catarina

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
10/10/2021 - 13h40
Polícia Civil de SC passou por crise nos últimos dias
Polícia Civil de SC passou por crise nos últimos dias (Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom)

Os pilares da Polícia Civil de Santa Catarina ficaram abalados com duas trocas do delegado-geral em 15 dias. Acima dos supostos motivos, as mudanças foram o pico de uma turbulência iniciada há meses com a aprovação da Reforma da Previdência. O texto criticado pela categoria passou na Assembleia Legislativa (Alesc) e deixou marcas entre agentes, escrivães e delegados. A insatisfação se espalhou de tal forma que gerou divisões internas. E está justamente nisso a primeira lição do atual momento: com o racha interno, a corporação se desmobiliza e piora o clima.

Leia todas as informações das Eleições 2022

Para agravar o cenário, uma suposta interferência política nos trabalhos da Polícia Civil mexeu com as estruturas. Nada foi comprovado ou realmente denunciado até o momento, principalmente no caso que teria motivado a saída do delegado Akira Sato do cargo de delegado-geral.

Caso realmente aconteça qualquer tipo de pressão, cabe aos coagidos e pressionados o dever da oficialização das denúncias, outra lição importante do episódio atual. Nada é mais fundamental para a corporação que tem como dever apurar todo tipo de ilícito do que a sua independência.

Por fim, cabe ao governo transmitir e colocar na prática a mensagem de que a corporação tem autonomia para trabalhar. A resolução na crise da Polícia Civil passa diretamente por isso, mas também por uma pacificação no ambiente interno que caberá ao novo delegado-geral, Marcos Ghizoni Junior, capitanear.

Ela só será perene se houve a coloboração do governo através das pautas necessárias como o plano de carreira da categoria. Os catarinenses dependem, e muito, do trabalho da corporação. Não há mais tempo a perder.

Repercussão

Após o vazamento de uma suposta investigação da Polícia Civil em relação a um contrato de serviço de software pela secretaria de Administração do Estado, o secretário da pasta, Jorge Eduardo Tasca, pretende buscar explicações. Ele contratou um advogado para pedir informações à Polícia Civil sobre eventuais investigações que o envolvam. O caso veio à tona como um dos supostos motivos para tentativa de interferência nos trabalhos da corporação que teria causado o pedido de demissão do delegado Akira Sato, na última semana.

Leia também:

Deputado propõe lista tríplice para delegado-geral na Polícia Civil de SC

Filho tranca mãe usuária de drogas em casa no Sul de SC, diz polícia

Paulo Koerich é exonerado do comando da Polícia Civil de SC

PM de SC que admitiu ser racista em vídeo é denunciado pelo MP por cinco crimes

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas